quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Cu de gente e focinho de cão...

... não aquece nem de Inverno nem de Verão. Outra variante da saudosa avózinha. Ela tinha para todos os gostos, desde que envolvesse carantonhas de canídeos e rabos.

E sim, vou queixar-me do frio, yet again. Mas desta vez de uma perspectiva diferente. A das roupas dos espécimes fofinhos que vão no barco (ou uma expressão que adoro "apanham a carreira") Montijo-Terreiro do Paço.

Cheguei hoje à brilhante e tardia conclusão que sou uma totó, uma menina de coro no que à protecção do frio concerne. Ele há montijenses (ou alcochetanos,não sei precisar assim à vista desarmada) que se artilham com os adereços mais pro que se possa imaginar, e que, consequentemente, não fazem as figuras tristes de Boneca Maria, com seu ar de cachorro abandonado e nariz de rena Rudolfo, batendo palminhas feita maluquinha o caminho todo. 

Ora costuma haver: 
(saudades das minhas listas)
- Uma senhora de chinelos de quarto felpudos: têm um ar super quente e confortável, ar esse imediatamente contrariado pelo buraco nos collants na zona do calcanhar, por onde presumo entre a aragem do rio. Talvez não seja despiciendo o facto de a senhora ser cigana;
- Chusmas de adolescentes com aquilo a que eu ignorantemente designo por "fones de orelhas", aqueles coisos que parecem headphones farfalhudos que aquecem o orelhame. Ora eu tenho uns exemplares desses, que usava na neve, mas acho-os incompatíveis com uma imagem de senhora adulta, mãe de filhos, que gostaria de a todo o custo manter. Se me dá vontade de rir nos outros, fará em mim;
- Botas tipo Ugg: isto parece-me inteligente (embora, mais uma vez, não se coadune com a minha toilette, nem com o meu local de trabalho), mas a questão premente é "Miúdas, se vocês também as usam no Verão, quando estão 40 graus à sombra, que diferença sentem agora? Esses presuntinhos não terão o termostato avariado?";
- Pessoas atafulhadas até aos dentes a modos que só se vêem os olhinhos: estas demoram mais ou menos o tempo todo do trajecto a tirarem os agasalhos por camadas tipo cebola, e depois a voltarem a pôr tudo de novo, regra geral, arreando cotoveladas e cabeçadas em quem vai ao lado. Ou seja, não fazem mais nada durante meia hora a não ser despir e vestir. Credo, que canseira logo pela manhã;
- Pessoas que não param quietas sentadas, e andam de um lado para o outro, para se aquecerem, acho eu. Ou então têm bichos carpinteiros, e não frio;
- Pessoas que vão o caminho todo a soprar nas mãos, para as aquecer: fujo destes exemplares a sete pés, porque regra geral, têm mau hálito. Ou então só não me apetece levar com baforadas de ar vindas directamente das entranhas de outrem. Esquisitices;
- Acho que há mais belos exemplos, mas como ainda não descongelei totalmente -  só trouxe como agasalho duas camisolas, um casaco, um cachecol e umas luvas - descrevê-los-ei eventualmente numa outra oportunidade. Over and out.
 

4 comentários:

  1. Bonequita.... olha que as minhas botas da neve (e isto vai parecer estranho) são a unica coisita que me aquece as mãos!
    Andava sempre roxa, assim tipo morta e que se esqueceram de enterrar, vai daí lembrei-me "se andar com os pés quentes, pode ser que isso já não aconteça" e ao fim de quase 7 invernos nesta terra longinqua nos confins de Portugal.... lá coloquei aquelas botas que só levava para a Serra da Estrela... funcionou (vá, um licorzito, às vezes, também ajuda muito! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então mas mas ... mas tu pões as botas de neve nas mãos?! Não queres dizer nos pés?! :P

      Eliminar
    2. São mesmo as mãos.... se tiver os pés quentes, as mãos também estão.... (eu sei que é estranho).

      Eliminar
    3. Sinto-me menos esquisita agora ;)

      Eliminar