terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Das pessoas que nos olham de alto a baixo

E não me refiro aos homens que o fazem por motivos óbvios e pouco inocentes. Refiro-me mesmo às mulheres que nos tiram as medidas descaradamente. Que olham para cada pormenor de nós, demorada e pormenorizadamente, sem qualquer pejo nem preocupação pelo incómodo que isso possa causar. Se eu que sou uma pessoa até bem resolvida e sem complexos de maior me sinto devassada ante tal escrutínio, imagino quem tenha uma baixa auto-estima.

Aprendi a lidar com este tipo de pessoas no trabalho, onde há dois ou três espécimes assim, mas, com os anos, já consegui ganhar carapaça e poder de encaixe para não revidar e até acabo por gozar com o assunto. Agora, há uma criaturinha que costuma vir no mesmo barco que eu que desperta em mim os mais primitivos instintos violentos e a quem só me apetece saltar para o pescoço e enchê-la de chapadas todos os 26 minutos e meio que dura a viagem Terreiro do Paço-Montijo, enquanto entoo um ritualístico "Para de olhar para mim, estupor de m$rda, já não te consigo ver à frente, é que tu até fazes por entrar sempre depois de mim para te sentares bem atrás e depois ires o caminho todo a tentar ver o que faço e o que leio e o que escrevo e com quem falo!!!!!" (entoar esta lenga-lenga ao som do Enter Sandman dos Metallica). Ora esta moça fofinha, ao adiante designada por criatura, embora a vontade fosse apelidá-la de p&ta de m&rda, incomoda-me de tal forma que eu já hiper-ventilo quando a vejo, semelhantes nervos me causa. Porque me fita sem qualquer pudor, mesmo quando eu, do alto dos meus 10 cm de salto a miro de volta de alto a baixo com olhos revirados e nariz torcido como se me estivesse a cheirar a ovo cozido. A mulher não desolha, não pestaneja, não vira a cabeça, quer-me parecer que nem respira. E eu olho-a nos olhos, e a criatura apenas os deslocaliza para outra parte qualquer do meu corpo. A sério que teria medo não fosse ser baixinha e roliça e não aparentar oferecer perigo. E já dei por mim a ver o que eu tinha vestido, para aferir da facilidade de lhe pregar um rotativo nos queixos caso fosse necessário.

Desconfio que já tenhamos lido 3 ou 4 livros em conjunto, já fizemos várias conference calls, presumo que já saiba que calço o 36, que o meu lanche são barras de proteínas e outras coisas que tais. Não sei mesmo o que lhe faça. Houve um dia que vinha atrás tão encostadinha a mim que pensei soltar-lhe um traque para cima para a castigar, mas lamentavelmente não tenho a fantástica capacidade de largar puns a pedido. E sou uma senhora (embora por esta conversa não pareça). Resta-me aguardar uma oportunidade para lhe dar uma piquena e subtil cotovelada que a jogue borda fora naquela altura em que se instala a confusão para sair do barco. Já faltou mais.

16 comentários:

  1. Raios, pela descrição até a mim a criatura me está a enervar.
    Dá-lhe lá a cotovelada que ela está mesmo a pedir...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pronto tá bem. E digo que me mandaram.

      Eliminar
  2. Vê se lhe acertas num olho! Durante uns tempos também não o há-de poder abrir para te atormentar!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa ideia!!!!É já hoje!!

      Eliminar
    2. Também me acontece isso...e com uma pessoa relativamente chegada. Que irritante!!

      Eliminar
    3. E quando são pessoas com quem trabalhamos todos os dias...?!

      Eliminar
  3. Coitada, se calhar admira-te pq és gira e gostava de ser como tu! Dá-lhe um sorriso e um elogio, tipo: que camisola gira, é de onde? E vais ver que lhe fazes o dia mais feliz!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostava de ter essa capacidade, mas não consigo: só me apetece enchê-la de estalos. Sou uma pessoa feia, eu sei.

      Eliminar
  4. dizes: "34, preto, comprido" (o vestido que ela te vai comprar, claro)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Digo digo. (Nr de traulitadas, cor com que vai ficar o olho, tamanho do pau com que lhe vou dar)

      Eliminar
    2. ahahahahaha, mázona! :P

      Eliminar
  5. Oh, eu até concordo com o "Anónimo" das 14:28, mas que é um pouco chato, é. Eu passo um pouco por isso, mas só quando vou com o meu namorado que é mais baixo do que eu. Geralmente olhamos os 2 para a pessoa em questão e perguntamos muito alto um ao outro "Conheces?" Há pessoas que ficam sem saber onde se meter, mas outras há que continuam a olhar. Olha, paciência e boa sorte é o que te desejo. ;)

    ResponderEliminar
  6. cá para mim..... depois eu explico... lolol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Epá, duvido. Eu sei o que estás a pensar. E não me parece.

      Eliminar
  7. Brrrr...que fartote! A minha vizinha da frente, a qual tenho ainda a sorte de trabalhar na mesma empresa, é um upgrade da minha balanca eletrónica! Avisa me a cada 100gr que se alterem no meu peso...porém ja lhe descobri a avaria: só fala se a alteracao for no sentido ascendente!!! Brrrr.....asshole :@

    ResponderEliminar