sexta-feira, 27 de junho de 2014

Das mulheres na casa de banho

Mas afinal o que é que vocês lá fazem? Olhem, pessoas, retocamos a maquilhagem, fofocamos, comparamos mamocas e pacotes, penteamo-nos, penteamos as outras, cortamos na casaca de meio mundo, procedemos a recensões críticas de corpos masculinos, criticamos comentamos o rabo da X, que está com o tamanho de um aeródromo, ou as leggings que a Y usou no dia anterior, que a faziam parecer uma alheira de Mirandela com 3 semanas de montra. E é só isto: conversamos. Lamento fazer cair por terra um mito potencialmente sexy e atrevido, mas a malta vai lá mesmo é para a conversa. 

Mas, let's face it. Há gente que gosta muuuuuuito de falar. E sobretudo de se ouvir, mas isso já é outra história. Agora, onde entra a minha preocupação é quando me encontro com um destes espécimes numa casa de banho pública e se enceta uma conversa interminável. Ou seja, ultrapassamos aquela linha imaginária que separa a fofoca da esquisitice quando a conversa continua após uma pessoa entrar para o cubículo privado e estar em plena ação. Com, digamos, banda sonora. Aí já é só muito estranho e constrangedor. A criatura do outro lado "Mas olha...blablabla" e nós, em posição de agachamento a 90 graus, a tentar manter o equilíbrio e ainda a ter de responder, quase aos gritos, para abafar, como direi, o ruído de fundo. Mas o "jjjjjjjjjjjjjjj" não demove a criatura conversadeira, que ainda tem imensas coisas para partilhar e perguntas a fazer. "Tás a ouvir-me?!" "Tôooooo! Jjjjjjjjjjj..." Catano pá. 

Um dia destes fiz um teste. Quando saí do cubículo e a pessoa verborreica ainda lá estava "Blablabla", não lavei as mãos, agarrei nas dela e disse "Falamos lá fora sim? E percebeste que não lavei as mãos e te estou a tocar?" "Mas olha, acabaste por não me contar..." Bem, foi inglório. Resignei-me e fui continuar a conversa. Não sem antes lavar as mãos, claro, que eu não sou porca.

8 comentários:

  1. aconteceu-me no trabalho:
    estava na conversa com uma colega minha de cubículo para cubículo, quando de repente ela diz-me: cala-te que tenho de me concentrar
    eu no gozo, respondo: para quê?
    e ela: cala-te que já ouves....

    ResponderEliminar
  2. Hehe o que eu já me ri com este post. Temos mesmo de os ajudar a desmistificar esta coisa de as mulheres irem à casa de banho em grupo. Eles têm uma imaginação muito fértil :D Bom fim de semana*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gostaria de saber do que eles falam, se é que falam.

      Eliminar
  3. Na verdade a moda das leggings ainda veio trazer mais "conversas de... retrete"!
    Ora bem, depois disto, apraz-me dizer que desejo profundamente que as DUAS tenham lavado bem as mãos. Porque se há coisa que me intriga durante dois dias e meio, mais que conversar ao som do "jjjjjjjjjj", é ver gente humana a fazer as suas necessidades sem lavar as mãos. Incomoda porque às tantas obriga-nos a uma ginástica ninja para abrirmos a porta sem colocar as mãos na mesma, quando não há papel!
    Finalmente um lugar para desabafos profundos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 1-lavei. 2-abro a porta com os cotovelos para não tocar em germes alheios. 3-este é o melhor lugar para desabafos profundos! :)

      Eliminar
  4. Eu não faço nada disso na casa de banho, mas também não levo companhia, gosto muito de ir sozinha. Isto quando vou à casa de banho, porque aguento muito tempo. E quanto aos homens, eles falam de bola e pouco mais, que não estão para estar ali de pirilau de fora ao mesmo tempo que falam com outro homem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desconfio de tanto insider trading sobre o mundo dos WC masculinos...

      Eliminar