segunda-feira, 28 de julho de 2014

O voo da fisga

Já aqui referi en passant a minha paranóia com a possibilidade de algum vizinho vislumbrar a minha lingerie (neste post). Até agora tenho sido bem sucedida nos meus projetos de escondimento de cuecame bonecal, tudo bem refundido atrás no estendal da varanda.

Ora sucede que às vezes quem estende a roupa é a empregada. Senhora fofinha, mas desprovida de certas caraterísticas intelectuais e até de sensibilidade e tato que a levam a fazer algumas coisas que, a meu ver, são, como direi, estúpidas. Um bom exemplo é ela achar que se pode estender tudo ao molho e fé em Deus, desde os panos esfarrapados com que limpa o chão à lingerie caríssima de renda que eu manuseio como se de um vaso da dinastia Ming se tratasse. Por aquela cabecinha nunca terá perpassado a pergunta "Mas se a menina se dá ao trabalho de ter esta roupita pequenita de tecido frágil e com aspeto delicado em separado dentro de um saquinho de rede se calhar não há de gostar de a ver ensalsichada com a recarga nojenta da mopa?" 

Pois que, não satisfeita com a orgia de pobre que proporcionou à minha roupa interior de classe alta, a senhora teve a bela ideia de a estender para o mundo, assim bem alinhadinha na corda mais exposta à vizinhança, umas dez cuecas a dizer adeus a quem as quisesse cumprimentar. Quando cheguei à garagem, olho para cima como costumo fazer e, em todo o seu esplendor, lá estava uma bonita coleção, de fazer inveja a muita stripper. Pareceu-me ouvir vozes inclusivamente "Então, pá, foste fazer o turno da noite ao Champagne ontem?"

Mas o pior ainda estava para vir: não só aquele belo espetáculo estava a ser proporcionado em sede de estendal, como presa na corda do vizinho de baixo estavam umas cuecas, digamos, sugestivas, a dizer-me RELOU! Sim, efetivamente uma das minhas fisgas havia voado e pousado estrategicamente no estendal do vizinho. 

Passado o choque inicial, iniciei os preparativos do resgate, planeando com toda a minúcia as frases que haveriam de sair desta boca a fim de não me envergonhar para todo o sempre. Sucede que - Deus seja louvado - caíram no estendal do vizinho mais jeitoso (o único na verdade thank you God), o que ainda me preocupou mais, na verdade, porque aumentou a tensão na hora de pôr o plano de salvamento em marcha. "Boneca Maria de Deus, tu consegues, o homem está com certeza fartinho de ver daquilo, chegas lá, perguntas se viu as tuas fisg...cuecas e pronto. Ah, a mulher dele acabou de parir, apenas um pormenor, se calhar ele agora vê mais cuecas tipo saco de pão, mas não há de ser nada e..." VALHAMEDEUS que o homem abriu a porta em tronco nu.

Eu não sou pessoa de corar, minha gente, e efetivamente resgatei o que era meu de direito, mas que grande sapo engoliu esta vossa serva, aliás, arrisco dizer que houve engolimento conjunto de batráquio, porque poderia jurar que não fui a única a corar e a gaguejar.

16 comentários:

  1. Pois que a minha senhora (da limpeza) não mexe nas minhas fisgas, diga-se que estrategicamente pensado, a roupa encontra-se toda seca aquando a madame cá vem... e sim, sempre na corda de traz!
    IF (já cá faltava a assinatura!!!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou proceder a uma proibição!

      Eliminar
    2. Uma vez, era eu solteira e boa moça, estava o papá a estender a roupa, eis senão quando fica um trapo no fundo do alguidar. Vai o papá, todo lampeiro, para deitar o trapo fora, pergunta a mamã o que o papá estava a fazer, ao que o papá responde que ía deitar o trapo fora.
      Responde a mamã: Mas tu não vês que isso são as cuecas da tua filha?
      O papá pega naquela "coisa" entre dois dedos, olha e exclama: Para usar isto daqui a pouco mais vale não usar nada!
      E lá foi ele, todo feliz e contente, pôr uma mola no trapo, ups, na fisga!!
      IF

      Eliminar
    3. HAHAHAHA tb ouvi algo de muito parecido! :D

      Eliminar
  2. porca...
    tantas crianças a morrer em África e tu com lingerie caríssima...

    ResponderEliminar
  3. Se fosse o teu vizinho também corava...tenho a certeza...mas por exemplo explica-me porque é que se um rapaz entrar numa loja de roupa interior para senhora as empregadas ficam todas a comentar e a olhar?é assim tão estranho?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É raro, mas em bom :)

      Eliminar
    2. claro que é estranho... eu acho que é para uso próprio

      Eliminar
    3. Mas tu não bates bem da bola.

      Eliminar
  4. Ahah
    Eu também ponho as minhas num cantinho estratégico.

    ResponderEliminar
  5. As minhas são mais cuecão, mas não deixam de ficar com a marca do ferro quando a empregada as passa!

    ResponderEliminar
  6. As minhas estão sempre estrategicamente escondidas no estendal da varanda... e bem atráááás! :P
    Cat Vanesse

    ResponderEliminar