terça-feira, 2 de setembro de 2014

O fascínio do cocó

Começo já por pedir desculpa aos mais sensíveis, mas efetivamente andei com muito tempo em mãos, logo, passei horas a fio a observar e a subsequentemente esmiuçar os comportamentos estivais dos meus rebentos imbecis. Porque não há outro adjetivo para os descrever. Bom, na verdade o Máinovo ainda não se qualifica como tal (há de lá chegar benzódeus), mas o Máivelho está naquela idade parva que só não leva estalos a cada 5 minutos porque tenho medo que a Segurança Social mo leve, que eu apesar de tudo já me afeiçoei ao puto e ele até já está treinadinho para me ir buscar o comando da TV e as gomas à despensa.

Olha, com este intróito todo agora perdi-me. Ah, já sei. Mas tive de ir ver o título. O fascínio dos putos por merda, nas suas mais variadas manifestações e vertentes. Ora sucede que, estava o Máivelho a brincar com um amigo da mesma idade, quando dá a este último uma súbita vontade de vazar os conteúdos do intestino grosso (viste, Mãezinha, consegui conter-me e não escrever cagar!). Lá vão então os dois, um para fazer o serviço, o outro para se pôr à coca, a ver se ninguém espreitava. Porque tudo o que a malta na praia quer é ver dois putos a arrear o calhau.

Até aqui tudo bem, tudo normalzinho. Ora sucede que durante o resto da tarde houve 379 excursões "ao cocó". "Vamos ver o cocó do Henrique, mãe". "Já voltamos, vamos ver como está a poia", "Mãe, já podemos voltar ao cocó?", foram as frases mais ouvidas nesse dia, juntamente com um relatório pormenorizado da evolução cagalhónica. 

No dia seguinte o amigo já não estava, mas isso não demoveu sua Excelência meu filho totó de ir várias vezes acompanhar a putrefação do dito. Até que voltou com um ar muito zangado, porque, aparentemente "Estão lá bué moscas". Remédio santo, não voltou lá mais.

Pensando bem, eu não deveria achar isto estranho, uma vez que com a idade dele me enfiava com as minhas primas na casa de banho de cada vez que uma de nós ia fazer aquilo de que se fala. Ficávamos lá horas e bem me lembro de Mãezinha exasperada e estupefacta com o comportamento. Filho és, Pai serás...

12 comentários:

  1. E pronto, acabou a conversa... :D

    ResponderEliminar
  2. E hoje, o mai velho já foi ver se a moscas foram embora? eheheheh
    IF

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso, esfrega-me na cara (expressão ótima para a temática) que já não estou de férias!

      Eliminar
    2. Olha, eu vou amanhã! :D
      IF
      (Eu sei que vais sentir a minha falta, mas quando voltar prometo pôr a leitura em dia! :P )

      Eliminar
  3. "Filho és, Pai serás", benza Deus que desse mal não sofrerei, nunca tive fascínio pelo meu, nem pelo merdal alheio, e gosto pouco que me interrompam! Mas conheço quem grite a chamar pela família para compartilhar a sua obra de arte...nojo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, sim, há muito mais gente com esta inclinação merdística!

      Eliminar
  4. Vou agora e aqui, confessar algo que há 17 anos [mãe badada e em 1º round] fiz. Fotografei o 1º cocó no bacio da minha mais velha. Mas juro que logo de seguida o deitei fora, não ficou em exposição nem para estudo fóssil.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahahaha, sinto-me tão mais normal. É que eu "poderei" ter feito algo do género... ;)

      Eliminar
  5. Boneca bonequinha mil gracias por acabar de mandar uma gargalhada no meio do metro onde nuestros hermanos ficaram com cara de "de que te ries loca?".

    Ahahahahahahha, tem merduncia dá sempre em garagalhada ;))).

    Besito pa ti,
    Cat

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :D Cá besito, siempre iás íordiens!

      Eliminar