quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Os cromos da praia #1

Nestas férias que terminaram (BUÁAAAAAAA) foram muitos os cromos com que me cruzei. Mas mesmo muitos, catano que há gente muito esquisita neste mundo em geral e na Soltróia em particular (onde, ao pé das vivendas do "nosso" jet set, se esperaria um pouco mais de recato, no mínimo).

- Pois que tivemos uma criatura (homem dos seus 50 anos) que decidiu levar uma cana de pesca para a praia. Oh que maravilha, a besta quadrada empatou o anzol, agarrou naquilo, enterrou uma espécie de suporte na areia e cá vai disto à beira-mar, com crianças e adultos a banharem-se a meia dúzia de centímetros. Ora eu, com o bom feitio que me é característico, ainda mandei umas bocas, do tipo "o totó deve achar que vai apanhar uns robalos pro jantar!", ou "pesca mas é uma alforreca ou o biquíni da gorda da mulher. Ou o cagalhão que eu vou pedir ao meu filho para fazer para ele", mas nada. Apenas quando ia pescando os olhos de um puto é que achou por bem afastar-se. Regressou mais tarde, pasme-se, sem um único peixe para amostra. 

- As pessoas que se vão aliviar nas dunas deveriam disfarçar melhor: levar toalhetes ou mesmo um jornal debaixo do braço corresponde ao ato de atravessar um parque de campismo empunhando o belo do rolo de papel higiénico na mão: toda a gente sabe o que vai acontecer, mas ninguém quer ser lembrado do facto.

- Houve um rapaz, dos seus 20/30 anos, que me apoquentava: a criatura usava uns calções até aos joelhos, daqueles bem compridos. Sucede que de manhã, mal chegava, demorava mais ou menos meia hora a enrolá-los cuidada e meticulosamente até quase se ver as badanas do rabo, ao que percebi para não ficar com a marca dos calções e bronzear-se de forma mais uniforme. Oh rapaz, e uma sunga não?! Uns calções mais pequenos?? Assim para não parecer que estás de fralda??!! Cá beijinho.

- Observei igualmente um choninhas, que vinha sozinho com dois putos e uma velha. Esta sentava-se e não se levantava a não ser para ir ao mar, molhar-se até à cintura e somente por 2 minutos (ou seja, para ir à casa de banho, porca da velha). Ele, levava uma hora a ajeitar o guarda-solzinho, as toalhinhas, os brinquedinhos, os creminhos, o cataninho CANERVOS. No final, os putos comiam batatas fritas e ele e a velha umas belas sandes com ar saudável. Prioridades.

- Grupos de espanhóis, eram aos molhos. Um em particular que ficava ao pé de nós, era constituído por três casais e 8 crianças louras (a "chusma de russos", como Mãezinha os apelidou), que passavam 90% do tempo à porrada e, consequentemente, aos berros. Gostei de ver, fez-me concluir pela normalidade dos meus. Pormenor: os paizinhos brincavam com os putos (sendo que dois deles tinham três e conseguiam pegar neles todos ao mesmo tempo), enquanto as mãezinhas apanhavam sol e conversavam. Pareceu-me uma divisão perfeita de tarefas.

Para não cansar a vista dos chuchus, deixo o resto dos cromos para outro post.

14 comentários:

  1. Ai há tanto cromo por essas praias a fora. Quando vou à praia também tenho como passatempo observar o BBC Vida Selvagem do areal, ou simplesmente sou obrigada a tal, tal é o chinfrim que fazem.
    Mas disto tudo, "No final, os putos comiam batatas fritas e ele a velha...", fiquei-me por esta! Espero que não estivesse rija :p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. AHAHAHAHAHA!!! Já corrigi. Mas admito que foi um belo lapsus linguae, mas em escrita. :)

      Eliminar
  2. No fim do mês conto-te se encontrei os teus cromos por aí! :P
    (Eh pah, já reparaste que consegui colocar o meu nome lá em cima, espectáááááááculo!!!!!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assumiste-te!!! Saíste do armário!!!! :D

      Eliminar
  3. Boneca!

    estive a por a leitura em dia no teu blog. Ri que ri. Adorei o post do cocó.

    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Pois eu cá adoro aqueles que vão para a praia fazer de conta que são artistas de palco mas sem microfone e, como tal, têm que falar bem alto para o seu público! De preferência, obrigarem os outros a ouvir as suas proezas na velocidade, ao volante de carros rebaixados...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ui, essa estirpe é-me tão familiar!

      Eliminar
  5. Ó pá o que eu adoro estas histórias... este ano não fiz praia... mais do que o sol e o mar sinto falta de também eu observar estas espécies que todos os anos dão á costa portuguesa... e o que eu adoro! PLEASEEEEE conta mais!

    ResponderEliminar
  6. Também já vi desses que vão com calções compridos e depois os dobram. Há com cada cromo! Loool.

    ResponderEliminar
  7. A melhor que me aconteceu este ano, foi ter ouvido [sem querer, querendo] como os vizinhos da toalha do lado, fugiram ao fisco em €18 000, uma pérola de conhecimentos contabilisticos! E contaram t-u-d-i-n-h-o ao telefone não sei para quem...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom para um funcionário das finanças ouvir... ;)

      Eliminar