sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Os cromos da praia #2

Continuando a saga dos cromos com que fui brindada nestas férias, e sem mais delongas:

- Adolescentes. OOOOhh, como eu os adoro (NOT): um grupo em particular que me aqueceu o coração foi o que incluía um borbulhoso que levou uma guitarra para bater o couro a uma miúda. Ora, uma guitarra, sem bolsa. Para a praia. Que, diz, tem areia. Parece-me uma ideia supimpa. Obviamente, aquilo não tocou lá muito bem, soava assim um cruzamento de ambulância em marcha de urgência com cantora de ópera com prisão de ventre. Havia de ser comigo, no meu tempo quem se lembrasse de sacar da viola levava com ela nos dentes, isso era certinho. Mas isso sou eu, que sempre odiei estas cantorias. Outra coisa típica de adolescentes com hormonas aos saltos: um bando de rapazes a levar ao colo uma miúda a espernear para a jogarem dentro de água. Comigo, era sentença de morte. Just saying. Além disso, este bando de fofuchos decidiu jogar à bola, delimitando o campo com havaianas, à beira-mar. Ou seja, se alguém queria ir ao banho os pequenotes ficavam muito irritados porque se interrompia o jogo e se pisocava o campo aos bebés. Pois foi precisamente nessa altura que me deu mais jeito ir várias vezes à água, só para criar bom ambiente. 

- Senhoras com rabos gigantescos. Váláver, nada contra, não tenho nada a ver com isso. Agora, quando estas decidem (des)tapá-los com biquínis reduzidíssimos, assim a roçar o fio dental, já é poluição visual e aleija os olhos aqui da menina. Senhoras, se quando andam parece que ouvem aplausos, uma pista: ninguém vos está a aplaudir, são mesmo as vossas nalgas a baterem uma na outra! Bora lá arranjar um algoritmo que facilite a coisa: rabo + biquíni que se perde de tal forma lá pelo meio que se ouvem as nalgas a bater palmas = tapem-me isso, catano!!

- Por último, um fenómeno que eu nunca esperaria encontrar numa praia respeitosa, mas que percebi corresponde à versão fina do que se encontra em Armação de Pêra e noutras praias do povo por esse Portugal a fora. Ora, enquanto nessas a malta vai às sete da manhã espetar o guarda-sol para guardar lugar e só depois vai ao pão e fazer as sandes de chouriço e quiçá até dormir mais um pouco, a malta fina planta os guarda-sóis na praia o verão INTEIRO a guardar lugar. Sim, perceberam bem, os guarda-sóis não saem da praia, o que proporciona um espetáculo fofinho e aprazível. Ora atentai na foto abaixo. Chegamos à praia, não está ninguém, mas não há lugar. No início ficava um pouco desconcertada, mas depressa percebi que é pôr o nosso chapéu onde nos apetece e quando (ou se) eles chegarem (porque houve dias que as pessoas nunca apareciam), eles que se mudem. Que acabam por fazê-lo, um pouco a contra-gosto, e eu estava mortinha que alguém me dissesse alguma coisa, que eu tinha-as bem preparadas na ponta da língua. Mas, helas, ninguém me deu oportunidade de armar barraca.

Se não é uma visão bonita. Depois era fazer gincana, no meio, e tentar descobrir um buraco para armar o estendal.

E o monte de brincadeiras que se podia fazer a esta malta? Assim de repente ocorreu-me ir de noite e trocar tudo de lugar, incluindo os brinquedos dos putos e as cadeiras, que eles também deixavam presas no guarda-sol. Seria muito divertido vê-los no dia seguinte à procura do chapéuzucho e dos brinquedinhos da Constança e do Bernardo Maria.

16 comentários:

  1. Há pouco tempo vi um rabo, que ia daqui a Cacilhas (e o "daqui" é nos arredores de Lisboa, zona oriental), e tive de olhar umas 10 vezes, porque o bikini era de tal forma reduzido, que desapareceu entre aquelas nalgas gigantescas. TODA a gente olhava, porque realmente quase não se via bikini, e da parte da frente a tremenda banha também tapava praticamente tudo.
    Este ano experimentei uma parte de baixo de bikini, que quase não me tapava o rego e a chenica (termo fofinho, pah), e tendo um rabo normal, não me senti nada bem, por isso, não entendo como estas fofinhas se possam sentir bem.

    Quanto aos chapéus de sol, eu tinha lá ido mudar aquilo tudo de sítio. Fazia duas filas nos extremos da praia, espetadinhos ao contrário. Ele há cada mania...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 1. Eu comprei um biquíni normalzito, porém movediço. Resultado: andava sempre a tirá-lo da gaveta, o que não é comportamento digno de uma lady.
      2. Uma outra ideia que gostaria de ter posto em prática consistia em juntar os guarda-sóis num monte, uns em cima dos outros, e tacar fogo neles.
      3. Chenica desconhecia. Vou passar a usar, juntamente com a snaita, a crica e a pêssega.

      Eliminar
  2. E pupa, nunca usaram esse termo?
    É mais fofinho, digo eu
    ahahah

    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aaaaawwww, nunca tinha ouvido! Mas é demasiado fofinho, só se for para a de uma criança. Vou adotar! O termo, não uma criança.

      Eliminar
  3. Este ano, com uns maravilhosos e rubuscos 10kg a mais, não saí do fato de banho, os espelhos em casa andam sempre limpos!
    Quanto ao lugares reservados na praia, confesso que só conhecia o registo em piscinas, absolutamente incrível... hehehehe

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, é verídico, esta malta existe e respira e tal.

      Eliminar
  4. Aos chapéus vazios, juntem um (2) guarda-ventos para abrigar a família toda... Numa praia concorrida, podem imaginar o resultado.
    Ah, também gosto muito dos que, apesar de ter uns 3m de espaço para o outro lado, teimam em passar beeeeemmmm junto à nossa toalha, como se quisessem provar capacidade de fazer gincana na praia sem encher os outros de areia (o que nem sempre conseguem)...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Apanhei-os a todos!!! Eu sou uma espécie de íman...

      Eliminar
  5. Esqueceste o grupo que levou um bolo de aniversário para a praia e, perto das onze da manhã, cantou os parabéns ao aniversariante alto e em bom som.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cheira-me que este ilustre anónimo esteve comigo na praia... ;)

      Eliminar
  6. Não me digas que nem uma pázinha mudaste de sítio?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sou uma santa, eu. E aquela gente é fina, mas quando desce do salto sai de baixo. Tive cagunfa.

      Eliminar
  7. Ficar-me-á eternamente na memória a imagem da senhora com mais de 60 anos a chegar à praia, armar o estendal com o marido a dar instruções, sentar-se na cadeira e sacar da bela da gilette, abrir as pernas e começar a fazer a depilação nas virilhas.... Em plena praia....
    Ainda hoje sou acompanhada psicológicamente devido a tal visão......

    ResponderEliminar
  8. Sim, a minha irmã também deixa o chapéu lá espetado, toda a temporada... E o meu sobrinho mais novo é Bernardo. :D

    ResponderEliminar