sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Mano

Hoje fazes 30 anos, meu palhaço. E estás do outro lado do oceano, o que me impede de te arrear os calduços da praxe, logo seguidos de xi-corações bem apertadinhos daqueles quase de te saltarem os olhinhos e de me magoarem no piercing da orelha.

Não é justo que faças 30 anos longe, estou triste, por nós, mas principalmente por ti. Não me entendas mal, tenho a certeza que tens amigos fantásticos e que passar os anos com a jeitosona da tua mulher não deve ser nada mau (aliás, imagino que ela a esta hora já te tenha oferecido 520 pares de ténis e blusões e camisolas e tal), mas, caramba, devias estar aqui. E porra que não consigo escrever sobre e para ti sem me virem as lágrimas aos olhos. Deve ser as hormonas, só pode. Sabes por que é? É por ser mãe. É fácil-fácil pôr-me no papel da Mami e sentir que o cordão umbilical está esticado até ao limite e dói. Aliás, por esta altura já viste o texto que ela escreveu e percebeste que, tadita, está tristonha. Mas vá, arrebitemos e passemos ao que interessa: Parabéns Mano, que contes muitos e marca lá o caraças da viagem, que por aqui o peito já aperta.

E fica aqui o texto da Mami, para que não o percamos nunca, e para que o possamos ler quando quisermos pôr algumas coisas em perspetiva:

"Coração emigrante
Dentro de mim mora, há uns tempos, apenas metade de um coração. A outra partiu para um país distante, na América do Sul. 
Hoje essa metade faz, longe de mim, trinta anos!
O que daria euSenhor, a quem ma trouxesse aqui! Como queria enchê-la de beijos, abraços e outros mimos quequem é mãe entende! Mas, aqui estou eu, como muitas mães deste país, à beira-mar plantada, qual Bela Infanta, à espera que, do outro lado do Atlântico, chegue a “outra metade deste coração partido.
As saudades são do tamanho do oceano que nos separa.
Consola-me o facto de estar acompanhado da pessoa que escolheu para esposa e o seu sucesso profissional. Orgulho-me de poder dizer que esse sucesso se deve a muito trabalho e não ao facto de ter agitado bandeiras de propaganda, num qualquer partido político.
Adoro-te, meu filho. Não há um único dia que não pense em ti. Ainda vamos festejar muitos aniversários juntos, novamente.
Beijos carregadinhos de saudades.
 
Mami
 
-"Que darias tu, senhora,
A quem no trouxera aqui?"
                                          GARRETT, Almeida – Romanceiro"

16 comentários:

  1. Parabéns ao Mano pelos 30 anos, parabéns à Mami pelo texto tããããoo lindo. O tempo que passamos longe de quem gostamos só nos fazem aproveitar melhor os momentos que passamos com eles. "Arrebitem caminho" e lembrem-se que melhores dias virão! Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. Choremos todos, irmãos. Amén! E feliz aniversário ao Mano Boneco :)

    ResponderEliminar
  3. Olha mano não te conheço mas por solidariedade à boneca (que também não conheço), um beijinho também deste lado do oceano só que da Madeira.

    ResponderEliminar
  4. Parabéns ao "Mano" de alguém que não tem um oceano entre si e a família (é só Espanha que se mete no meio, vá) mas que também sabe o que é ter saudades!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então bem sabes o que custa... Beijinhos e obrigada!

      Eliminar
  5. Tal mãe tal filha! Que bem escrevem!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aaaaawwww, sua(seu) anónima(o) fofinha(o)!!!

      Eliminar
    2. Ass: Aí cocó Aí cocó...(do concurso das frases) :-)

      Eliminar
    3. Opá, preferes assinar como ai cocó do que sair do armário??! Ai o catano.

      Eliminar
  6. Oh assim não vale... que texto tão bonito da Mãe Boneca.
    E são palavras que partilho, mas não sou mãe, sou filha, filha do José que está por terras Africanas, porque infelizmente cá já não dava mais! Mas isso são outros quinhentos, quero só desejar que o irmão da boneca conte muitos, e parabenizar a mãe da boneca pelo lindo texto.
    "Cá beijinho" boneca mailinda!
    Rita.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cá beijinho, Rita, sua simpática!

      Eliminar
    2. Fónix Boneca até dói de lindo. Parabéns ao mano.

      Eliminar