terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Eu atraio maluquinhos #19 - Edição saldos

Em bem estranhei quando olhei para a minha frente na fila e vi um cabelo seboso que pingava, preso no cocuruto com uma mola daquelas que apenas usamos em casa ou, na melhor das hipóteses, no cabeleireiro. Mais ainda estranhei ao observar a criatura a olhar de forma suspeita e assustada para todos os lados e a agarrar-se à roupa que tinha na mão como se alguém lha fosse roubar. E muito mais quando a senhora (ao adiante designada por inúmeros sinónimos de doida varrida) obrigou a empregada a verificar em todas as peças de roupa se o número na etiqueta de fora coincidia com o número real da peça, na etiqueta interior. "É que não imagina as coisas que já me aconteceram!". Tudo bem, fair enough, um pouco chalupa, mas poderia ter razão de ser. Na hora de pagar, quis ser ela própria a enfiar o cartão Multibanco na máquina e a arrancar de lá o recibo. Entrementes, enfia a mão num saco de plástico (como se fosse uma luva) para marcar o código. Alto lá: alerta maluquinho e Boneca Maria de Deus de orelha em riste para cuscar tudo (era isso ou passar-me da marmita pelo tempo que estava todo o processo a consumir!).

Como se tudo isto não fosse suficientemente estranho, a destrambelhada manda um pulo quando percebe que a empregada vai enfiar - pasme-se - a roupa que ela acabou de adquirir dentro de...

...


um saco. Nãaaaaao!!! Para tudo. Todo o mundo na loja a olhar para a trolaró, que quer "Dois sacos pequenos. Fechados." Para uma gola de penas e uma parka enorme. "Fechados?!" pergunta a empregada. Sim, porque a maluquinha de Arroios leva o seu próprio saco, grande, onde enfia a parka e guarda os outros dois, não utilizados. Não sem antes agarrar na gola de penas (ou lá o que era aquilo, que mais parecia um espanador), com a mão devidamente protegida pelo saco de plástico, e desatar a sacudi-la violentamente, vergastando quem está à volta e quase arreando uma galheta em moi. Sacudiu, agitou, saracoteou e quando achou que aquilo estava livre de bicheza (ou quando as vozes na sua cabeça disseram que estava na hora de ir pentear um berbequim), deu-se por satisfeita e pôs-se ao fresco. Mas não sem antes ouvir a gargalhada suprimida desta Vossa serva, que soou a algo como um cruzamento entre um ronco e um nariz ranhoso.

Vira-se para trás com um ar furibundo, olha para a desgraçada posicionada atrás de mim na fila e que estava a leste do que se estava a passar, empina um dedo e vocifera:

"A tua hora virá, Madalena!"


P.S. Madalena, filha, se me estás a ouvir, desculpa, bem sei que deveria ter dito alguma coisa, mas tive cagunfa da tresloucada. Ainda te tentei explicar que a senhora era doida de pedra, mas tu nem te dignaste a tirar os phones dos ouvidos, por isso, azarecos. Olha, pelo sim, pelo não, bota um sapo à porta de casa, que isto nunca fiando.

12 comentários:

  1. Primeiro obrigada por me fazer rir que nem uma maluquinha no meio do escritório. E depois essa doida deve ser daquelas que vê o Demo em tudo e que tem a mania que vai contrair doenças em todo o lado! O que eu pagava para ver um filme desses!
    A sua pessoa nessas horas não tem por acaso um telemóvel com câmara de filmar? Era sucesso garantido!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De nada :) filmar? Eu estava era borradinha de medo...

      Eliminar
  2. "As good as you get" em versão portuguesa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou "deves ter um íman para esta gente, BMD"!

      Eliminar
  3. Voltou!!!! A minha rubrica preferida cá da Casinha!!! Iupiii!
    Essa Sra. faz-me lembrar a outra que se virou para mim num shopping cá do sítio a dizer coisas do Pinto da Costa com o Belmiro de Azevedo + tráfico de armas... Leva-se com cada uma! :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Yayyyyy!!!! Que saudades desta gente...

      Eliminar
  4. ahahahahahah...
    Tens a certeza que isso não seria para os apanhados?!?...
    Desejo-te um excelente 2015 :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece mesmo, não? Um beijinho, votos de um ótimo ano para ti também. :)

      Eliminar
  5. Aiii tão bom! Onde se encontram estes maluquinhos?! Só me cruzo com gente de parafusos alinhados... Tudo muito banal e boring! Maria

    ResponderEliminar
  6. Tens razão, não vale a pena eu ir aos saldos. Ainda apanho por lá uma maluquinha...a rir-se aos roncos das outras adoráveis pessoas. Ahahahah :P

    ResponderEliminar