segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

As minhas não-resoluções de Ano Novo ou De como sou sempre do contra

Ainda vou a tempo? Claro que sim, que o barraco é meu e o meu mau feitio tem de ser devidamente acarinhado. E porque é ele que dita que eu faça uma lista contendo aquilo que, de certezinha, nem que a vaca tussa, eu não farei. Cá vai alho, sem mais delongas, que vai começar mais um episódio de "Como defender um assassino" e Senhor meu Marido já aí vem com o meu chá de laranja e gengibre. 

Ora bem, sem qualquer ordem de importância:
- Correr. Não correrei, sob qualquer pretexto, a não ser que tal implique apanhar o barco ou, na loucura, o metro (há de vir outro 5 minutos depois, não vale o esforço). De resto, tudo o que acabe em "ona", "estre", "éjo" e afins, com o objetivo de receber uma medalha mixuruca que nem no prego dá para pôr, é que nem morta (até porque teria de me internar com pensão completa num qualquer centro de fisioterapia durante dois anos após semelhante façanha);
- Ir ao ginásio mais do que 2 vezes por semana: eu bem tento, eu bem me comprometo mentalmente, mas não consigo. Adoraria, mas a vida não o permite. Poderei conseguir fazê-lo ocasional e excecionalmente, mas para tal é necessário que as estrelas (e os meus pais, para me ficarem com as crianças) se alinhem em Saturno, coisa que - toda a gente sabe - só acontece em anos bissextos chineses;
- Comer e beber menos porcarias ao almoço: é escusado, já tentei, give me a break que já faço muito sacrifício ao jantar;
- Ir sem praguejar e maldizer a vida aos jogos/treinos de futebol do Máivelho;
- Parar de provocar o cão do vizinho, ladrando-lhe ou imitando qualquer outro tipo de som (incluindo soprar-lhe apitos que potencialmente lhe farão explodir as orelhas);
- Comer sushi menos de 2 vezes por semana (convém definir bem as prioridades desta vida, não é verdade?);
- Irritar-me com os totós que continuam, ano após ano, no Facebook, a ter perfis apenas para bisbilhotar fotos alheias, sem sequer se dar ao trabalho, às vezes, de pôr uma foto de perfil;
- Na mesma temática, aceitar pedidos de amizade no Facebook de criaturas amigas de primos de colegas de carteira no liceu com as quais não terei trocado mais do que 3 palavras;
- Cortar o cabelo mais do que 5 milímetros. Quero cá saber que já tenho quase 40 anos e o cabelo comprido a la miúda borbulhosa, gosto e pronto!; 
- Morbidamente ler aquele blogue cuja dona debita cada traque que dá, cada pensamento imbecil, cada desabafo desinteressante;
- Parar de gozar com as mães extremosas que aparentemente não têm vida própria para além das paredes da escola dos filhos e cujo maior orgulho é empenhar-se em fazer merdas com materiais reciclados e bolos para as rifas;
- Deixar de (tentar) responder a todos quanto simpaticamente comentam no blogue, acho que é o mínimo que se exige, em jeito de retribuição.

19 comentários:

  1. Olha, "reencontrar-te" faz-me sentir menos alien! :D
    (Só não concordamos no gosto pelo sushi. Não se pode ter tudo.)
    Cá beijinho, minha granda maluca, que de mau feitio só tem a fama!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Reencontra-te foi das coisas boas de 2014! (é mais que fama, te garanto...) Cá beijinhoooo

      Eliminar
  2. Não me respondas tu e vais ver....
    Agora que até já conheces toda a minha beleza feminina (uma vez que fiz like no FB), vou lá e chamo-te "mal-educadona" em público, ah pois é, bebé!
    lol
    IF

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha, só pela pressão não te vou responder a este comentário.

      Eliminar
    2. Então não respondas, depois veremos! :P
      IF

      Eliminar
  3. Duas notas soltas...1)depois de correres a primeira vez, vá a segunda, vais ver que ficas viciada e que sabe super bem...e que podes fazê-lo com os filhos... 2) Mulheres querem-se de cabelo comprido...tudo o que for acima dos ombros devia ser proibido e o Parlamento devia pensar em legislar o assunto...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Naaaaa, já tentei. Tenho uma desculpa fantástica: o ortopedista proibiu. Quanto ao resto, ótimo, tomara eu que toda a gente pensasse assim.

      Eliminar
  4. Ufa! Finalmente uma lista de não resoluções! Ja não há cu, desculpa, rabo para tanta lista de resoluções que o pessoal nunca na vida vai cumprir. E viver-se o dia a dia, não? (Desculpa lá o desabafo)
    Gostei da ideia. Uma não resolução minha: deixar de vir à Casinha da Boneca. :D

    ResponderEliminar
  5. O comer sushi mais do que duas vezes por semana também me agrada! Não correr também me agrada, não ir ao ginásio também me agrada, continuar a passar-me com pessoas que me irritam por coisas tão parvinhas também me agrada!!! Quando comeres sushi avisa antes não vá eu fazer um comentário menos credivel!! Cá beijoca e cá espero galheta!! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hahaha, tu gostaste da ideia da galheta!

      Eliminar
    2. Sabes porque??? Porque todos os dias há muitos anos uso essa expressão!! Não o cá galheta, mas levas uma galheta que até vais!!!! 😉

      Eliminar
  6. Passou-me ao aldo ou não me apercebi da vossa reação à saída triste que treinador teve com o rapaz?? Ou perdoaram-lhe, dando uma nova oportunidade?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na verdade, acho que acabei por não contar. Senhor meu Marido teve uma conversa de pé de orelha com ele e ficou bem claro que não admitimos a linguagem. Ele pediu desculpa e disse que não se voltaria a repetir. A ver vamos...

      Eliminar
  7. Ocorreu-me agora que tenho de zelar pela tua saúde e pedir-te que não comas taaaanto sushi! Razão nº 1: acumulação de metais pesados; 2: risco de contaminação (o atum, para ser bom, é para lá de caro; se não for... pode vir de qq lado!); 3: parasitas.
    Não quero gerar o pânico, nem dizer-te que não comas sushi (até pq não é por estas razões que não o como, é mesmo porque não gosto nada), mas... come menos, ok?
    (Em tendo mais tempo, explico-te estes riscos em pormenor. Agora é bom que trabalhe qualquer coisinha.)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lalalalalala (mãos nos ouvidos) (um dia falamos mais a sério. um dia...)

      Eliminar
  8. Pá, melhor do que os meus não-balanços, são as tuas não-resoluções.
    Cá abracinho, mazé.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Somos ambas do contra, nós, mazé. Cá abraço estrafegado.

      Eliminar