sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Haters gonna hate, hate, hate, hate, pessoas pouco humoradas gonna embirrrate rrate rrate rrate

Ante a pergunta "E haters? Tens muitos?", eu sempre respondi que, além de não ter estatuto para isso (tenho ideia que só os bloggers a sério os têm), o tipo de textos que escrevo não se presta a trolls. Ou seja, ninguém se dá ao trabalho de tratar mal uma totó. É óbvio (achava eu) que só escrevo palermices, coisas que se vão passando comigo ou a minha família, cenas a que assisto, mas sempre tendo como fio condutor a minha estupidez natural, que no fundo é quase uma filosofia que professo. Penso que sobressai algum bom humor e, diz quem me conhece, "és tu, e mais nada". É isso, sou eu e mais nada.

Pelo menos, achava eu que era óbvio que o tom que subjaz a 90% de todos os meus textos é leve, pouco sério e, vá, parvo. Com a NiT, creio que passaram a ler-me outras pessoas, que não me conhecem, ou melhor, não conhecem a Boneca, nem su casiña, nem o tom dos seus textos. Até porque tento não aparvalhar tanto numa revista que não pretende ser um antro de idiotice (vide "A casinha da Boneca"). Posto isto, foi com um misto de estupefação e uátafâaaaque que li o (até agora tinha sido único) comentário à minha última crónica da NiT (sobre o conceito slim fit nos homens). E retive a parte em que a moça me achou preconceituosa. Dei por mim a pensar "Mas como é que alguém lúcido não percebe que estou a brincar, catano?!" E atenção: não venho para aqui com o fado da desgraçadinha, não quero nem pretendo agradar a toda a gente, mas fiquei a pensar que algo que era tão límpido para mim aparentemente poderá não o ser para outrem. 

Se vai mudar alguma coisa? Huuuuum, não. Mas fez-me pensar. E eu não estou habituada a pensar a sério quando faço algo que me diverte, como é o caso deste blogue e da minha coluna na NiT.

Lição de vida a retirar desta experiência potencialmente traumatizante:
"Se muito parva te achas
Mas merecedora de tempo de antena
Não esperes que quando levas no coco
Os outros de ti tenham pena.

Se ainda assim te queixas
Que houve quem te interpretasse mal
Pensa assim: antes incompreendida
Do que um pãozinho sem sal!"

16 comentários:

  1. Uma boneca inspirada vale por duas, isto é, aqui no blogue e no nit... o resto é conversa...

    ResponderEliminar
  2. Deixa lá Bonequita, mais tarde ou mais cedo vão perceber que desse lado só sai totozice! :P
    IF

    ResponderEliminar
  3. É tudo dor de cotovelo…não lhes ligues!!!
    Catano ó Boneca, tu não mudes…
    Uma beijoca pelas gargalhadas que dou a ler o teu blogue;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mudar, não mudo. Posso é queixar-me mais ;) Beijinhos!

      Eliminar
  4. Sim, porque semelhante comentário só podia ter saído de uma alminha que não lê este barraco. Boneca, tens uma maneira de escrever buédafixe, que é tua e de mais ninguém, por isso olha... Caga nisso! (Desculpa a linguagem. Sou assim, uma malcriadona, qu'é que se há de fazer?)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa linguagem malcriadona não se coaduna com esta casa de respeito, car%lho.

      Eliminar
  5. "Pensa assim: antes incompreendida
    Do que um pãozinho sem sal!"

    Tudo dito, pãozinho sem sal é que não, Boneca!

    ResponderEliminar
  6. Com a Nit e a exposição mediática (clap, clap) viraste pão para malucos! Ahah!

    ResponderEliminar
  7. Lesma Surda lembra:

    "O que importa é que falem de nós.... Mesmo que seja Bem!"

    Escolheste surfar "essa Onda" ! Não dá para ser sempre galhofa. De vez em quando lá se emborca um pirolito!

    Do provérbio nacional adaptado"
    "Por emborcar um piroloito, não acaba a surfadela!"

    Cada pirolito que tomas, lembra-te o vasto Oceano que ainda tens para navegar.

    Vá, por agora chega!

    Um pirolito pela boneca! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostei das palavras. Mas gostava ainda mais que tudo fossem rosas, algodão doce e passarinhos a chilrear! ;) Um pirolito!

      Eliminar