quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Tudo de boca aberta

Estou neste momento no barco a observar as pessoas em volta: 80% vai a dormir e se soubessem as caras que vão a fazer teriam espetado palitos nos olhos para se manterem acordados. O que está ao meu lado já me deu semelhantes esticões que se viu forçado a pedir-me desculpa pelos saltos que já dei com os sustos. Até pensei que estivesse a tentar castigar-me porque percebeu que estou a observar os leitõezinhos roncadores e a gozar. É que não há um que não ronque: uns assim numa espécie de assobio, os outros valentes roncos imponentes. E há um que ronca e funga. Puxa o ranho para dentro, vira-se e continua. Outro está a tombar a cabeça há 10 minutos: quando ela chega quase aos joelhos, tufas para cima outra vez e recomeça o processo de cabeça a caiiiiiiiiir até quase ao joelho e cá vai disto para cima de novo. Que giro.

Vá, continuem lá na vossa vidinha, era só isto mesmo, hoje esqueci-me do Kindle e estou aqui um bocado sem nada para fazer. Tenho sono, mas tenho medo que alguém me esteja a observar e depois me goze se eu adormecer.

2 comentários:

  1. Ahahahah! Olha que no autocarro da TST vai tudo bem acordadinho :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho uma teoria: como vai sempre gente de pé, têm vergonha de ir de boca aberta e a babar-se. No bateau ninguém vê: eu própria já desbundei um belo fio de baba queixo abaixo sem qualquer pudor. Uma leide.

      Eliminar