segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Eu mato o puto!

Final de uma semana de trabalho. Muito cansaço acumulado. Mãe chega a casa com os filhos, estaciona o carro na garagem. O mais novo, o tal da bexiga hiperativa e descontrolada, quer fazer xixi. Obviamente não aguentará até casa, terá de ser já ali à porta da garagem, para a relva. Tem um medo terrível de respingar os sapatos e, por isso, projeta as costas para trás e a anca para a frente. Com isso projeta também a Mãe, desprevenida e em cima de uns saltos altos de impor algum respeito. Mãe e filho estatelam-se no chão, não sem antes, para evitar que toda a sua plenitude de quilos esmague o minorca e também para salvaguardar os seus joelhos frágeis, Mãe ir de pulsos ao chão. Filho abre a goela e chora desalmadamente. Mãe gostaria de fazer o mesmo, uma vez que lhe parece que fraturou os pulsos, semelhante a dor que sente. Filho mais novo continua a chorar que nem um louco, vislumbra-se um gigantesco galo na testa. Filho mais velho, ante o espetáculo, comenta impávido:
"A esta hora o mano já está todo mijado. O que vais fazer para o jantar?"

12 comentários:

  1. Peixe cozido com brócolos e sopa de grão! Ahahahahah
    Ella

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era o que merecia, pequeno ordinário!!

      Eliminar
  2. hora do demo... já agora o que foi mesmo o jantar?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Restos, que não mereciam mais, nem eu estava em condições! Bandidos!

      Eliminar
  3. Quem sai aos seus... Não reclama, Boneca, não reclama :p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não faço ideia do que estás a falar!

      Eliminar
  4. Ahahahahahah! Visto daqui tem imensa graça!!!! Ahahahahahah!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu só me ri depois de ter constatado as não-fraturas. Só ficou mesmo o galo do pobrezito.

      Eliminar