quarta-feira, 17 de junho de 2015

A caminho do 2º Ciclo

Aí vai ele. Portou-se muitíssimo bem nos Exames Nacionais, teve belas notas, agora é brincar, brincar, ir à praia e descansar. E pelo meio, alguns trabalhos de férias, que esta malta tem memória de peixe e se não nos pomos a pau chega a setembro e já nem da tabuada se lembra.

Não me sinto mãe de um matulão do 2º Ciclo, talvez porque me lembre bem dessa fase da minha vida e de achar que já sabia tudo, que podia fanar as moedas de 25 escudos do pote da minha mãe para comprar caramelos aos velhos que tinham umas bancas à porta da escola, que podia jogar ao bate-pé atrás do pavilhão (nunca faturei, era um trambolho, bem, ainda sou, mas estou a fugir ao tema), que já tinha direito a responder torto, etc. etc. Mas o que é certo é que ia sozinha a pé para a escola, que ficava a uns 10/15 minutos da minha casa. Hoje em dia, é impensável deixar o miúdo fazer o mesmo, ainda que a escola até esteja mais perto. E, caramba, só na semana passada é que ele deixou de precisar do assento elevatório no carro (que conquista para ele!).

Não me sinto mãe de um matulão com 9-vai-para-10 anos (para ele 9-vai-para-12-aos-12-já-posso-ir-de-bicicleta-sozinho-ao-pão?), o pseudo-pré-adolescente que já não gosta assim tanto de beijos repenicados e menos ainda de manifestações públicas de mimo. E que, tivesse eu cedido às súplicas, já teria Facebook (não, não e não!)

Só me sinto mesmo mãe de um matulão quando o comparo com
o irmão mais novo e me apercebo que até já este, com 4 anos, é muito senhor do seu nariz (embora um mariquinhas chorão de primeira água), que já quer tomar banho sozinho, embora o comprimento de braços ainda não lhe permita alcançar o próprio rabo, mas que ainda adora muitos beijos e amassos, a qualquer hora do dia.

Posto isto, tenho mesmo de me convencer que tenho 3-homens-três em casa e resignar-me ao esquecimento do cor de rosa, das lantejoulas e dos brilhantes com os quais sempre achei que gostaria de conviver. Resignar-me aos joelhos esfolados, à roupa imunda, aos traques venenosos, à porrada e gritos a toda a hora e ao tiro ao alvo à minha bijuteria. Não obstante, e apesar dos queixumes, não trocava isto por nada neste mundo.

12 comentários:

  1. Mais uma vez, aqui estou eu com a minha opinião. Vamos por pontos:
    -não sei, nunca soube, a tabuada toda. O "ratinho" sempre me foi muito útil
    -responder torto.... Sempre o fiz, sou muito resmungão
    -ir a pé... além de ser muito longe, sempre gostei de sair do carro mesmo à porta da escola "ah e tal tenho carros giros"
    -assento elevatório... Deixei muito antes do 5°ano, nessa altura já comecei a andar à frente
    -beijos/mimos.... Sempre gostei! Assim como andar de mão dada com a mãe, ainda hoje o faço. Ele vai perceber que tem uma mãe moderna e vai ter orgulho como eu tenho. Maquilhagem, saltos (muito) altos, roupa gira... Recentemente passámos por irmãos e filhos do meu pai...
    -facebook... Só criei no 7ºano
    -ainda pode vir a menina
    -e não tendo a ver com este post mas sim com uma foto que publicaste à pouco no facebook. Calçar os saltos altos da mãe... Também passei por isso, ela nunca se importou até lhe estragar uns sola vermelha, sei que entendes, aí fiquei proibido de me aproximar do armário dos sapatos dela
    Mais um belo testamento, beijos e abraços! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou também por pontos:
      - acho que a tabuada é imprescindível, mais não seja para ajudar a mãe, que já não a sabe ;)
      - adorava ir sozinha para a escola, sentia-me muito responsável, e tenho pena que ele não vá sentir o mesmo
      - o gajo é minorca
      - ele gosta e diz que me acha giraça, só não quer manifestações muito babadas e frenéticas, se é que me entendes
      - Facebook, quando tiver para aí uns 16
      - só se me dessem 100% de garantia que não vinha outra pila
      - quem me escangalhasse uns Louboutin ficava sem dentes.

      Eliminar
    2. Ahah, boneca eu garanto-te que é uma menina, eu adoro ver babys na blogosfera e acompanhar as histórias, mais que não seja porque não me chegam perto os choros nem as fraldas, vá láaaaaa! x)

      Eliminar
    3. -Hoje em dia já nos permitem fazer testes e até mesmo exames nacionais com calculadora. Sinceramente, não concordo. Mas dá-me imenso jeito!!
      -Mas acho que já é possível escolher só que, como é obvio, é tudo por meios artificiais. Perde a piada toda, portanto!
      -Não queria dizer a marca, se bem que acho que toda a gente percebeu. Quase me pôs de castigo até aos 40 anos, no entanto o marido/meu estimado paizinho, gentleman que é, disse que lhe comprava uns novos, aí quase me beijou os pés. Não compreendo as mulheres, juro! ;)

      Eliminar
    4. MSST, hahahaha. Queres uma, fá-la tu, oh.

      Eliminar
    5. Miguel, vou já tratar de pôr o Máinovo a estragar sapatos, a ver se renovo o stock.

      Eliminar
    6. Marca já a viagem a Paris. A ser, é em grande!! Ahahah ;)

      Eliminar
    7. Eiii boneca, estava a brincar, que coisa ruim que és às vezes! ;)

      Eliminar
  2. O meu tem a idade do teu, mas vai para o 4º ano.
    Uma das várias razões para não o ter posto no 1º ano com os 5 anos, foi essa: não ir para o 2º ciclo com 9 anos.
    No entanto, devo dizer que para o ano vou estar na mesma angústia! Lol!
    Mas já lhe prometi que, se ele continuar a ser o rapaz ajuizado que tem sido até aqui, o deixarei ir sozinho para a escola (que fica a 10 minutos a pé por um caminho seguro e movimentado).
    Beijinhos e coragem! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu fui para o 2º Ciclo com 9 anos também, e não sofri nada com isso, somos ambos de novembro e por isso a minha experiência serviu de bitola. A questão tem a ver com os tempos: são diferentes agora. Só para dar um exemplo, sabíamos lá nós o que eram cadeirinhas e assentos de carro na nossa altura (nem cinto de segurança usávamos!) Beijos

      Eliminar