terça-feira, 16 de junho de 2015

Expressões que nunca vou compreender (mesmo que já mas tenham tentado explicar)

(lista em atualização: sintam-se à vontade para contribuir)

- Estar com a prima
- O (preencher com equipa à escolha) ignorou o meio campo do (idem)
- Vai na volta
- Isto é assim (no início de uma frase)
- Ele há coisas que
- Olá! Estás boa ou não queres dizer?
- Bom dia, era um café. / Era ou é?
- Bom dia, queria um café. / Queria, já não quer?
- Tás aqui tás ali
- Cagari cagaró (cuzinho da tua avó)
- Deves pensar que como gelados com a testa
- Zona mista homem a homem
- Bons olhos te vejam
- Ele que vá mas é ter filhos pela barriga das pernas (esta é especial da Mãezinha)
- Desatar a correr
- Os anjos não têm costas (onde estão presas as asas então?)
- Lançamento em profundidade para o corredor esquerdo
- Então vá

E é este tipo de coisas que me aflige pela manhã. Podia ser pior, podia estar aqui a chorar...

... com o último episódio de ontem...

... da Guerra dos Tronos...

31 comentários:

  1. Ó Boneca, também tu? Ando a tentar fugir dos spoilers o máximo que consigo, mas parece-me que os atraio. :D Ainda não vi o episódio. Mas acho que hoje me vou deitar mais tarde e vou tratar de vê-lo ou então não não posso vir mais à net. E não tenho Facebook. Aí é que era! :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não vejas! Fica na ignorância, mulher!

      Eliminar
    2. Mais valia ter ficado na ignorância! :'(
      Deus ma livre mais à p**a da ideia que o GRRM tem de matar pessoas... É que só pode ter um problema qualquer. :S

      Eliminar
    3. Estafermo do gordo.

      Eliminar
  2. Assim de repente lembro-me do "dar cabo de" referindo-se a estragar algo e de "arrumar com algo" na vez de atirar algo. E as celebres abreviaturas que comecei a ouvir quando vim para viseu "fui pia cima" na vez de "fui por aí" ou "subi isto", "iscádias" na vez de escadas e muiiiito mais! E a habitual pronúncia visiense em que as pessoas das aldeias e os mais velhotes acabam todas as palavras com zzzzzz :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Excelentes acrescentos.

      Eliminar
    2. Mais uma aqui Miguel Couto.
      Em Viseu não se namora com, mas namora-se para.
      Ser morgado não é ter um apelido normal é ser filho único.
      Outro exemplo não dizem "onde estás?" dizem "Adonde estás?" LOL

      Eliminar
    3. Assim como se fala para e não com! Essa do Morgado fez-me imensa confusão ao inicio "ah então és morgado... -não sou Couto" lol
      Como é que não me lembrei do "adonde"?! Essa é o prato do dia!! Deixar o Porto e vir para Viseu foi ganhar aulas de como falar portuguêzzzz gratuitas! ;)
      Também mora em Viseu, moijeeu? :)

      Eliminar
    4. Moro. Eu vim de Lisboa para cá mas já há muitos anos que cá estou. No entanto não deixo de continuar a achar imensa piada á pronuncia e expressões que usam cá.

      Eliminar
    5. Continuem, que gosto muito que se tenham sentado no sofá da minha casinha a conversar! <3

      Eliminar
    6. Eu vim do Porto tinha 12 anos, há 4 portanto. Se por um lado gostei, por outro sofri um bocado. Há um certo preconceito por estes lados, enfim...
      Esta manhã ouvi outra que ainda não me tinha lembrado, "chega aqui ao pé de mim!" Hãn?! Não faz sentido e nem é gramaticalmente correto "ao pé/ de mim" seria melhor "ao meu pé". Sempre disse e continuarei a dizer "chega aqui à minha beira".
      Boneca, sempre uma querida! Já não podes ouvir as notificações do mail, né?

      Eliminar
  3. Assim de repente lembro-me de "dar cabo de" na vez de estragar algo e "arrumar com" na vez de atirar algo. E todo um novo dicionário que comecei a aprender quando vim para viseu: "fui pia cima" na vez de "fui por ai" ou "subi isso", "iscádias" na vez de escadas, o verbo " desconchabar" que, pelo que já percebi, é equivalente a "desmontar"/"destruir"/"estragar" ;) tenho tanto a dizer sobre este assunto.... :) :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Opah não percebo nada disto! Então ele diz me que o primeiro comentário não estava valido e depois é publicado?? Supostamente so devia ser publicado este :/

      Eliminar
    2. Sem stress, ficou a info adicional ;)

      Eliminar
  4. espalha brasasjunho 17, 2015

    ...ter filhos na barriga das pernas... há na mitologia grega um deus que os teve. deve vir daí.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mãezinha é muito erudita, está visto.

      Eliminar
  5. Serei eu a única pessoa no mundo que não vê Guerra dos Tronos? =P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, não estás sozinha xD

      Eliminar
    2. Deve ser só das melhores séries dos últimos tempos. Primeiro estranha-se, depois entranha-se. Não vejam não, que podem ficar viciadas. :D Ou então correm o risco de se começarem a afeiçoar a certas e determinadas personagens que de repente "vão desta para melhor". :'(

      Quanto à temática, sendo eu de uma santa terrinha que, não sendo em Viseu, é muito parecido, também temos algumas das mesmas expressões. Gosto principalmente do "pia além" (em vez de "por aí além"), das "caleiras" em vez de escadas e da "carreira" em vez de autocarro.
      Também gosto muito do pedido da bênção. A minha mãe ainda cumprimenta os tios desta forma ("Olá tio X, sua bênção!", que tem como resposta "Deus te abençoe."), o que é muito típico e muito engraçado. Só tenho pena de estas pequenas coisas se estarem a perder.

      Eliminar
  6. "Vi com estes olhos que a terra há-de comer." (WTF?)

    ResponderEliminar
  7. Bom dia, queria um café. / Queria, já não quer? - Desculpa, mas esta não concordo.
    Esta frase é no condicional, queria se o empregado me servir, queria se houver café...

    ResponderEliminar
  8. Sim, tens razão! Mas o pretérito imperfeito (queria) é um tempo verbal do modo indicativo que é utilizado na enunciação de factos dos quais não se tem certeza quanto às suas realizações futuras. Ex: Queria que fosses feliz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes, não me parece que os empregados estejam preocupados com a língua portuguesa. Era isso que eu queria dizer. :)

      Eliminar
  9. A utilização do pretérito imperfeito para pedir o café ("Queria um café.") serve para respeitar o princípio da cortesia - um dos princípios que regem a interação verbal em português - ou seja, demonstra delicadeza. A utilização do presente (quero) soa mais a imposição, a ordem, e é, por isso, menos cortês.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei. É o que eu digo, invariavelmente. Tenho é de ouvir sempre a mesma resposta...

      Eliminar