quarta-feira, 12 de agosto de 2015

As farmácias são os supermercados dos velhos

E antes que me venham dizer que eu devia era ter vergonha, que podiam ser os meus avós, que eu lá hei de chegar e mimimi, eu explico. 

Sabem que mais? Não explico nada. Se sequer aventam a possibilidade de me fazerem um comentário desses, é porque caíram aqui de páraquedas, não se deram ao trabalho de ir ler nada para trás, não sabem o que a casa gasta e, como tal, não são merecedores de amor e carinho da minha parte. Xô daqui.

Para os restantes fofinhos, destilarei o fel do costume: epá, raisparta os velhos e as farmácias, pá. Se isto é malta que lhe dói as cruzes e levanta o rabo da cama às 6 da matina, por que razão decidem atravancar a farmácia à hora de almoço, quando quem trabalha precisa apenas de comprar uma vacina? O cúmulo nesta foi haver um casal (de velhos) com uma funcionária e um homem (velho) com a outra. O despique era para ver quem conseguia esgotar primeiro o stock dos medicamentos para a hipertensão. Ganhou o casal, que levou 8-caixas-oito, apenas sobrando uma para o velho concorrente da equipa de Vila Nova de Gaia. Parecia os Jogos Sem Fronteiras, mas em parado, porque quem corria para ultrapassar obstáculos e chegar aos objetos eram as duas funcionárias. No final, depois de já terem todos os 300 medicamentos e de a conta estar feita, o casalinho ainda se lembrou que dava jeito umas vitaminas e precisavam de cola para a dentadura. O membro da equipa contrária, entretanto, continuava a ocupar a funcionária apenas para se queixar que tinha tido uma quebra de tensão no dia anterior e só se lembrava de ter acordado no hospital "a minha filha é que me deve ter levado", "não, acho que foi a minha sobrinha", "na verdade não me lembro, que chatice que só há uma caixa do Sovegantinex Plus". Mas não lhe serviu de nada, porque os fuçangueiros do lado estavam já a arrotar €180, com uma conta do tamanho das que nós - pessoas novas e relativamente saudáveis - costumamos receber no supermercado. Vide foto abaixo. 

20 minutos desta macacada depois, fui atendida, não sem antes as criaturas terem contado os pormenores das férias que se perspetivavam, mandado cumprimentos a todos os membros da família das funcionárias, enquanto se queixavam do peso do saco de medicamentos e aproveitavam para falar do problema dos ombros. Felizmente, não se lembraram de comprar um Emplastro Leão, ou assim, para aliviar aquela dor em específico. A farmácia, entretanto, estava à pinha de gente, coisa que senhores velhos simpaticamente notaram com espanto "Mas o que é que se passa hoje? Está tudo doentinho?" "NÃO, GRANDESSÍSSIMOS FÓSSEIS, ADIVINHEM LÁ", era o que me apetecia dizer, mas perderia mais tempo e ainda enervava os velhos que depois precisavam de ser medicados. Assim, pedi a vacina que tinha ido buscar. Estava esgotada.  

Pus a minha vida em perigo para tirar a foto, sobretudo
porque, tendo comprado cola de dentadura, se esta malta me
ferrasse num dedo, ainda era coisa para aleijar uma beca.

36 comentários:

  1. ahahahahah, eu adoro este blogue, já tinha dito, não já?? Se sim, há coisas que nunca é de mais repetir :-)
    oh pá, como eu te compreendo! Há uma farmácia onde às vezes vou porque tem protocolo com a empresa onde trabalho (ou seja, descontos), e não há saco. Aquilo parece um lar de reformados. Coitadinhos, que eu até sou pessoa que gosta de velhinhos fofinhos, mas porra, uma pessoa quer despachar-se e eles a entupirem tudo à hora de ponta! "E depois é isto, ah, e afinal mais aquilo e se calhar também tenho aqui uma borbulha num dente, veja lá a senhora que pomada tem aí para isto. Ah e tal que agora também preciso de uma injeção para as cruzes (e lá vão eles para a salinha secreta levar a dita)" e no final, é isso, ainda falam dos netos, do canário e do camandro e a malta à espera... a bufar! Vai na volta, se chegarmos à idade deles, ainda somos piores porque aí ai de quem nos diga alguma coisa, quais velhas gaiteiras e "empertigaitadas" a mandarmos a farmácia toda pró &"$"&%"#& e afins!
    Joana N. (eh pá, tenho perfil anónimo pq sou pessoa pouco dada às modernices e não tenho outra forma de comentar, mas cá estou sempre devidamente identificada, tá? :-))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Joana N., mais ou menos anónima, estamos juntas nesta luta contra a velharia nas farmácias em hora de ponta!

      Eliminar
  2. "NÃO, GRANDESSÍSSIMOS FÓSSEIS"

    AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ri-te, ri-te, Filipa, queria ver se te conseguias conter estoicamente como eu me contive para não me ir aos velhos.

      Eliminar
    2. Odeio velhos. Maneiras que te percebo muito bem. Eu, por exemplo, quando sei que tenho de me cruzar com algum, saio sempre de açaime, não se vá dar o caso de, enfim.
      Agora, o grande mistério da vida reside no facto destas criaturas andarem sempre com pressa para tudo. Pressa para serem atendidos no posto de saúde, na farmácia, pressa que o autocarro chegue, pressa para entrar, pressa para sair, pergunto:
      pressa para quê?
      Isto dá comigo em doida.

      Eliminar
    3. Há velhos fofos. Há velhos que nos divertem. Mas esses estão escondidos e não interagem connosco. Pelo menos, não comigo: eu só apanho os quesilentos, os chatos e os empata-f... armácias.

      Eliminar
    4. A propósito disto, lembrei-me de um sketch dos Gato Fedorento, sobre o "velhão", uma espécie de vidrão, mas para pôr velhos. E pronto, era só isto.

      Eliminar
    5. Isséquiera.

      Muito mais útil do que o pilhão, por exemplo.

      Eliminar
  3. Tu faz atenção Boneca... que dentadura com cola é coisa para esfolar as norsas dos dedos. :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário serve para eu acrescentar uma palavra ao meu diciionário de regionalismos(?). Nunca tinha ouvido "norsas" dos dedos. Cá em baixo a malta diz "nós". Fixe.

      Eliminar
    2. Ella sempre a distribuir conhecimento! :P
      E olha lá, lá porque ando perdida por terras beirãs há 8 anos, não quer dizer que tenha renegado as origens, sim???? O que separa as nossas terras é apenas um rio!!! :P
      (Ella também não conhece muita gente a dizer norsas, mas que é uma palavra bonita... lá isso é! Vá, usa e abusa da gaja, que Ella deixa! :P )

      Eliminar
    3. Sou uma ganda norsa!!! Ah, não, é morsa.

      Eliminar
    4. Ahahahah, muito bom! Oh mái góde! :D

      Eliminar
  4. Não são só os velhotes, há pessoas bem mais novas que fazem o mesmo ahahahah
    Imagine a paciência dos farmacêuticos e técnicos!
    Cátia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro, o atendimento ao público é tramado.

      Eliminar
  5. é por essas e por outras que procuro sempre farmácias em zonas novas da cidade... as farmácias "velhas" são lugar de culto aqui nas redondezas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O filme é igual em todas as da Baixa de Lisboa...

      Eliminar
  6. E os reformados nos transportes públicos em hora de ponta? Como se tivessem horas certas para ir trabalhar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estão a ir para a farmácia!

      Eliminar
    2. Nicha como eu te compreendo. É que se não fazem nada podiam sair de casa 1h mais tarde e não atrapalhavam nada. Mas não. É sempre em hora de ponta!

      Eliminar
    3. E a mim, não compreendes, é? É só à Nicha?

      Eliminar
    4. Mil perdões Sôdona Boneca. My bad! Claro que concordo! 250%!!!

      Eliminar
  7. Nem me falem em velhos! Que eu tenho cá um galo com velhos!! E aqueles que acham que velhice é doença só quando lhes dá jeito?! Tipo andaram a passear se no continente horas a fio e na hora de ir para a caixa acharem que têm prioridade em relação a uma mãe com um bebé como me aconteceu há uns anos quando o meu pintainho era bebé! E ainda se porem a ladrar? Ai que nervos quando me lembro!
    Carla

    ResponderEliminar
  8. Há alguns que a frente da lista de compras é do supermercado e o verso é da farmácia. Ou então, e isso já eu vi com estes dois que a terra há-de comer (adequa-se esta, ahn? Velhos e tal.....), a parte que abre das embalagens, portanto, as tampas de toooodos os medicamentos juntas numa mola de roupa/clip.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou aqui de lágrima no canto do olho por tanta experiência como a minha a ser partilhada!

      Eliminar
    2. É só lançares o tema! Partilho sempre, acho que devo ter íman a este tipo de gente estranha ;)

      Eliminar
  9. É mesmo! Mas não é só na farmácia q eles vão contar a história da vida deles. E aparecem sp qd a pessoa tem + pressa! Além d q enchem sempre os transportes públicos na hora de ponta e vão pagar contas ao multibanco também na hora do almoço q é qd dá jeito a qm trabalha...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com tanta indignação não tarda tenho os velhos deste país à perna.

      Eliminar
  10. Bonequita, conselho cá dos bons. Nunca mas nunca ir a farmácias no dia 12/mês e nos 2/3 seguintes. É a altura onde a maioria recebe a reforma e a vai despachar na farmácia. Não precisas agradecer esta pérola de sabedoria :)

    ResponderEliminar
  11. Fui aos Correios há 2 dias.
    Entrei e ficou toda a gente a olhar para mim. Depois de por fracções de segundo pensar "vesti a roupa do avesso?", olhei em volta e percebi a razão. Era a única pessoa com menos de 70 anos que ali estava. E estava mesmo muita gente, caramba!
    Apanhei uma seca valente para conseguir levantar a minha encomenda, enquanto um velho rebarbado não parava de olhar para as minhas pernas e duas velhotas sussurravam nas minhas costas...
    Mas isso de ser velho é um estado de espírito! O meu paizinho tem 84 anos etem uma mentalidade mais jovem que muitos de 50 não têm. Não faz estas figuras tristes e, a conduzir, usa montes de vezes a expressão "vê-se logo que é um velho que ali vai a conduzir!", quando esses "velhos" são invariavelmente mais novos do que ele. :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paizinho é top!! Aaaah, os correios... dava material para yet another dissertação.

      Eliminar