terça-feira, 4 de agosto de 2015

Das drogas culinárias

Pois parece que os turistas da Baixa de Lisboa andam a ser enganados: uma notícia recente conta da venda de louro prensado ao invés de haxixe. Louro!! Com tantas especiarias mais fixes e bem cheirosas, como a noz moscada, a pimenta rosa ou até mesmo o caril, foram logo escolher esta, pá. Que falta de sentido estético-olfativo. No entanto, denoto que os traficantes consultam dicionários antes de saírem para o trabalho: ora pesquisai lá "especiarias". Ah pois é, "drogas culinárias". Vai daí, já estou a imaginar o Cajó; "Mén, Zé Naifas, topa só o que está aqui no dicionário da Porto Editora, olhápá Sóce - o Cajó é setubalense - o haxixe, essas folhas secas de cânhamo-indiano que não são mais do que uma poção narcótica que até produz sonolência ou outras alterações do sistema nervoso central, está pela hora da morte. Buga ao Lidél que o louro estava em promoção. Vamos faturar pra cacete, Mano!"

E agora pergunto eu: a malta desata a fumar aquilo e não lhes cheira a bifes? "Olha, agora assim de repente lembrei-me do hamburguer Tuga do H3", diz um junkie a outro. "E eu, Bro? Já marchava uma costeleta esfregada com uma dentuça de alho!" A mim dava-me a larica se fumasse louro, era de certezinha. E andar constantemente a salivar é cena que transtorna o dia a dia.

Agora o mais importante e que me leva a dissertar sobre o tema ao mesmo tempo que me indigno contra esta perfídia: porque é que eu NUNCA fui assediada para comprar droga, hein?! Nada!!! Nem um haxixexinho, nem coentros secos, NA-DA. Devo ter um ar de betinha que até mete nojo. É vê-los no Terreiro do Paço com os saquinhos na mão a chatear os turistas ou a malta com cabelo loiro e para mim só olham quando me dá uma rabanada de vento de orientação sul-norte e fico com a fisga de fora. E mesmo após o peep show, não é poções narcóticas que me oferecem, não. Nem quando frequento zonas mais dúbias, como o Cais do Sodré. Só propõem vender-me arroz de pato quando passo. Os do quiosque da comida.

Efetivamente, cada um é para o que nasceu.


(Uma última dúvida: como criminalizar esta atividade?! "Oh Senhor Polícia, eu estou só a vender tempero... não quer levar pra sua senhora fazer um refogadinho?)

37 comentários:

  1. Olha lá, oh mermã, tu andas muita bem informada sobre o haxixe, moss....
    E isso de fumar louro e comer bifes barrados com massa de alho é bom, chegas a casa, vomitas prá bimby, juntas cebola e azeite, vel. 4 que aquilo assim como assim já está desfeito, temp. Varoma, 15min., está o jantar servido!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei tudo o que se passa na Baixa de Lisboa! Ah, e atenção que eu posso habituar-me a esta troca (unilateral) de receitas da Bimby!

      Eliminar
    2. Estás com azar, a bimby cá em casa serve basicamente para fazer molho para o bacalhau com natas e aquele bolo de chocolate tipo Petit Gateau. Portanto, receitas da bimby, esquece! Normais ainda posso dar uma ajuda. Sim pq, apesar de tudo, eu sou uma 'ssoa que cozinha quase todos os dias ;)

      Eliminar
    3. Eu também. Mas mal.

      Eliminar
    4. Eu até que gosto, posso dar uma dicas ahahah! ;)
      Agora que estamos a falar de cozinha, lembrei-me de outra para aquele post dos regionalismos. Estrugido, já ouviste por aí??

      Eliminar
    5. Sim, é-me familiar, embora se quiser fazer um tenho de ir à net :D

      Eliminar
    6. Hum, não me parece estar-mos a falar do mesmo. Aqui um estrugido é um simples refogado. Mas não sei se é, realmente, esse o significado.

      Eliminar
    7. ISSO EU SEI!! ISSO EU SEI!!!

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Juro. Nem eu me lembrava de semelhante parvoíce.

      Eliminar
  3. Melhor louro que coentros. O que eu detesto coentros. :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pessoas que não amam coentros merecem sentar-se em ananases. Com a rama para cima.

      Eliminar
    2. Ai o licor de coentros....

      Eliminar
    3. Blhac, coentros! Parecem salsa mas com mofo xD

      Eliminar
    4. Ai o catano MSST, mas tu não gostas de nada?! Esquisitinha, a bebé.

      Eliminar
    5. Deixa lá Boneca... não sabe o que é bom! :P

      Eliminar
    6. Não aceito críticas de quem, para fazer um estrugido, tem de ir ver à net. :P

      Eliminar
    7. Pois, Ella também não sabe... :S

      Eliminar
    8. Olha lá, oh, era só porque a palavra é esquisita. Se dissessem refogado, não precisava de ir à net.

      Eliminar
    9. A culpa disso é minha! Eu perguntei, à Boneca, se sabia o que é um estrugido. Exatamente por ter descoberto recentemente que é um outro nome para refogado. (Isto no seguimento de um post antigo) O ir à net surgiu antes de lhe dizer o que era ;)

      Eliminar
    10. Ah bom, alguém que venha defender a honra bonecal!

      Eliminar
    11. Pessoas que não sabem o que é um estrugido (e sertã, e fino, e sapatilhas...) "merecem sentar-se em ananases. Com a rama para cima." :P :P

      Eliminar
    12. Sai mais um ananás para o Norte.

      Eliminar
    13. Estou contratado para teu advogado de defesa?
      Pró Nuorte?? Acho que não era para mim ou era? :D

      Eliminar
    14. Estás, e não, era para a espertinha da Isabel aí em cima, que já tem um ananás bem grande com o nome dela escrito.

      Eliminar
    15. Já deves ter esgotado o stock de ananases de Lisboa, com tantos que já ofereceste ;) estamos a brincar, mas não me admirava nada que ocorressem dessas práticas...
      Vai-se a ver e ainda será a 51ª sombra de Grey!!!

      Eliminar
    16. Ainda há muitos em Alcochete!

      Eliminar
  4. Cat de Castroagosto 04, 2015

    Uiiiii... vou pasar essa receita aos manos aqui das "rambalas" e ainda cobro uma comissaozita. É agora que fico rica carago... ou nao!!! =))))))

    ResponderEliminar
  5. Tinha escrito todo um comentário e o raio do telemóvel apagou-mo.
    'Xa lá ver se ainda me lembro...

    Já eu sou um íman de dealers!
    Não posso pôr um pé na Rua Augusta para logo tê-los a voar à minha volta, quais moscas no mel, raios os partam. No tempo em que saía à noite, em que ia a concertos, festivais, etc, era garantido que era comigo que eles vinham ter. Eles e freaks a perguntarem-me "tens uma mortalha que me dês?", para grande gáudio dos meus amigos, já que eu era a "certinha" que nunca se metia em cenas dessas (e, escusado será dizer, motorista e enfermeira de serviço).
    Uma noite, estávamos nós sentadinhos no pelourinho em frente ao Baco, apareceu um cota (devia ter uns 40 anos, o que para nós era cota, claro) e perguntou-me "Onde é que se compra haxe aqui em Setúbal?". Não aguentei e perguntei-lhe "Porque é que, dos magotes de gente que tem aqui, me escolheu a mim para fazer essa pergunta?". Mas o homem balbuciou "Desculpe, não queria ofender..." e pôs-se a milhas, debaixo das gargalhadas dos meus amigos.
    E eu? Continuei na ignorância, bolas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (Truque que uso: quando escrevo comentários muito grandes em blogues, antes de enviar, copio, just in case. E olha que já me serviu muita vez.) Devo dizer-te que tens menos ar de janada do que eu. Não que isso te sirva de consolo, mas só para efeitos de FYI.

      Eliminar
  6. Olá Boneca, não queria ser desmancha prazeres mas já sendo, devo informar-te que isso já acontece há uns 15 anos. pelo menos. E não é só na baixa Lisboeta. Acho que em Barcelona também acontece e quiçá em que cidades do mundo. Bem... em Amesterdão se calhar não. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu a achar que eram todos uns bad asses... Meninos!

      Eliminar
    2. Cat de Castroagosto 06, 2015

      Muñekita, lá se foram as nossas comissoes. Opahh,talco em vez de coca, já alguem se terá lembrado? Ahahahaha, maybe!! Melhor continuar a vergar a mola todos os dias que a receita de entrar guito e nao fazer nenhum ainda nao foi desta :p.

      Eliminar
    3. É verdade. É melhor continuar a jogar no Euromilhões, just in case...

      Eliminar