quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Diz-me em que fase da tua vida estás, dir-te-ei que tipo de porcaria pespegas no Facebook

Estava para aqui sem nada de útil para fazer a proceder a uma rigorosa análise antropológica do meu feed de notícias do Facebook quando cheguei a (mais) umas conclusões. A primeira e mais importante é que caminho a passos largos no sentido de largar o meu emprego para me dedicar em exclusivo à atividade de guru da análise de comportamentos facebookianos. Ora topem a jurisprudência já existente:

Post (com outros lá dentro)

E a que outra brilhante conclusão cheguei eu desta vez? Que, consoante a fase da vida, assim nos comportamos na rede social. Ui, que valente anti-clímax que eu agora vos proporcionei. "Mas que raio de guru facebookiano mais farsola é que tu nos saíste, pá?!", parece que oiço. Olhem, azarecos, é o que se arranja. Vou desenvolver: a título exemplificativo, tenho uma amiga que foi mãe há pouco tempo e, onde dantes havia piadas giras, a ocasional música, fotos de férias, agora temos links para estudos de pediatria sobre o efeito da luz no sistema digestivo dos bebés, promoções de fraldas e vídeos de bebés. E músicas de bebés. E mais cenas de bebés. Outra que levou com os pés do namorado: frases motivacionais (acham que lhe envie esta minha lista?), muitas selfies provocantes com legendas do tipo "quem não está estivesse" e aceitações várias de eventos sempre depois da meia-noite e com nomes altamente sugestivos como "HUGE MEGA AWESOME PARTY LOTS OF MEN NUDE NUDE FUCK YEAH BITCHES". E a que ficou desempregada e agora só bota fotos de bolos ou DIY com lixo? Que depois quer que os amigos comprem? "Olhem só este colar lindo feito com o fio do chouriço que ontem usei para fazer uma sopa bimbólica maravilhosa logo a seguir a este bolo hiper delicioso, que também faço para fora, custa 15 fermentos. Qualquer coisa enviem MP." 

E eu? Eu cá vou "ocultando a publicação", ocultando, ocultando, oculto que me farto e quando me canso de ocultar publicação atrás de publicação, acabo por ocultar a pessoa, que dá menos trabalho. E depois queixo-me que sou anti-social e ninguém gosta de mim e não tenho amigos. 

14 comentários:

  1. Ocultando? Eu é que sou a verdadeira anti-social que não pratico essa atividade mas sim o eliminando. Já eliminei umas boas dezenas de pessoas do meu facebook. :p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, no fundo eu sou uma fofinha!

      Eliminar
  2. e eu a pensar que era o único a bloquear os feeds dos meus amigos... o meu feed é só notícias da NASA, fotografias da Monster Children e a Playboy. a propósito, sabias que a Playboy vai deixar de publicar mulheres nuas? E que a NASA está a projectar enviar gente para marte em 2030? tás a ver porque é que não tenho amigos? prefiro saber merdas destas em vez do current mood swing da indignada Anabela que andou a meter os cornos ao António e mas que odeia o António porque foi visto com uma gaja mais nova e mais gira que ela à porta de não-sei-onde e por isso vem lavar roupa suja para os 1600 amigos e amigas. Ah I love Facebook!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tenho uma relação de amor-ódio. Porque na verdade me divirto com as frases motivacionais, porque gosto de gozar com as selfies da outra, porque me sinto menos estranha ao ver a outra dos bolos. Só que há dias em que não há cu. Daí que, dos meus 200, devo ter ocultado uns 50.

      Eliminar
  3. É porque és nova. Naqueles tempos, os recém-pais chateavam-nos com as fotografias dos bebés e competiam entre eles, género: «Eh! pá a minha filha já começou a andar. E o teu marmanjo?», sabendo que o outro ainda gatinhava. Mas que se vingava: «Mas a tua filha ainda não fala, né?». Quanto a mim nunca hás-de notar comportamentos auto-encorajadores quando a namorada me der com os pés porque foram tantas a fazê-lo que criei calo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para já, com a primeira frase já ganhaste. De resto, é perseverar para o calo não perdurar ;)

      Eliminar
  4. Cat de Castrooutubro 16, 2015

    Eu sou o chamado fantasma facebokiano ;). Ando por lá sem dar arzinhos de mim. Dou umas cuscadelas para nao me sentir tao out sa sociedade (eheheh... mais vale ler o correio da manha :p) e as unicas coisas q por la aparecem c a minha pessoa é porque alguem "me identificou". Arree diaxo, nao ha pachorra para as redes sociais. Quem quer saber de mim que ligue e que me convide para aterrar numa esplanadazinha a emborcar umas cañas e umas olivas, ta? :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. És a chamada cusca do Facebook, não põe nada mas bisbilhota, hein? Também conheço gente assim. Mas uma coisa não anula a outra, ou seja o FB não anula as cañas! ;)

      Eliminar
  5. ahahahahahahahah, caraças, ainda não criei a conta de mail para comentar (a pessoa é ocupada, pá!) mas não podia deixar passar este. Não há saco para 80% do lixo que aparece no news feed, qualquer um dos exemplos que deste são dos que mais me irritam e que me fazem rebolar os olhos ao ponto de quase saltarem... a juntar a isso só a fase "ai que eu agora sou bué da saudável e faço running" com o reporte quase diário da porra dos kms que correm mais a respetiva foto aos ténis adidas/nike ou a foto do grupo de corrida (a sério pessoas?). Também podia falar da fase fashion victim e da porcaria das fotos dos looks, já que isto agora toda a parola lança tendências (se bem que cá no fundinho, até gosto desta última, divirto-me como tudo a gozar com a parolice ;-)).
    Bom fds Boneca!
    Joana N.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grande solidariedade deste lado, mulher. Temos de pensar em criar um grupo de apoio, do tipo "Não-há-cu-para-certos-posts anónimos"!

      Eliminar
  6. Eu não tenho Facebook, como já disse algumas vezes. Mas às vezes o meu namorado mostra-m qualquer coisa no dele e eu aproveito para ver o feed (que, diga-se, é 90% futebol, Totobola, Placard e apostas desportivas). E cada vez mais não me arrependo de ter deixado essa "rede social". Não há mesmo cu que aguente essas coisas que já falaram e ainda aquelas correntes com a N. Sra. de Fátima ou anjos e santos com dizeres brasileiros do género "se acredita compartilhe" e fotografias de crianças doentes (também lá do Brasil, imagino) com pedidos de rezas "reze por este anjinho" e outras mer... Coisas que não lembram a ninguém.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Felizmente, não tenho desses malucos no meu!

      Eliminar