quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

A Boneca também tem algo a dizer sobre o Starwars (e sem spoilers!) e sobre filmes em 3D

Meus caros amigos, em verdade vos digo: ir ver um filme em 3D com uma criança é garantia de galhofa: a criaturinha baixava-se, desviava-se das naves, gritava "ESTA PASSOU CÁ UMA RAZIA ÀS MINHAS ORELHAS!!" e tentava agarrar as legendas com os dedos. Um fartote, coisa máilinda e apalermada de sua Mãe. Já eu, velha e estúpida (sim, eu olhava para o Han Solo e só me apetecia chamar-lhe Indiana!), não me lembrei de levar lentes de contacto e desde já vos aviso: óculos de 3D por cima de óculos de ver não só aleija o nariz como enviesa toda a experiência. Bem feita, não fosses míope. Adiante. 

Meus amigos, esta alforreca que vos fala saiu de baixo de uma pedra e descobriu a maravilha que é ver filmes a três dimensões. E não mais quererá outra coisa. Assim sendo, com o altruísmo a que já vos habituei, e porque estou de férias com o Máinovo doente e a dar em doida com os pedidos dele ("o sofá está frioooooo", "quero a mantaaaa", "preciso de mais um episódio da Patrulha Pataaaaa", "empresta-me o teu iPaaaaaad"), decidi compilar uma lista dos filmes que presumo tivessem tido interesse se visionados em 3D:

- Rambo I a MMXXVIII: acredito que o teria levado mais a sério se tivesse vivido esta experiência com os óculos. Sem eles, só me deu para rir, nunca consegui levar aquela personagem a sério. Confissão: acho o Stallone parvo. Já o Schwarzenegger, nem tanto.

Ai que vos mato a todos com a minha pistolazona.

- Por falar no senhor ali de cima, gostaria muito de ter visionado o Total Recall (meu guilty pleasure) com os ditos oculozinhos, sobretudo porque me teria permitido visionar de perto a senhora das três mamas. Era mesmo só para isso.

Pena não ter arranjado isto em movimento.
Vós sabeis como eu sou uma estudiosa de mamocas.

- Karaté Kid: era botarem-me os óculos no focinho naquela altura (em que eu ainda não era míope ainda por cima) e teria soltado o ninja que há em mim (tenho para mim que engoli um com 50 kg, que dorme alojado nas minhas ancas). Se eu já vivi intensamente e chorei baba e ranho no combate com aquele senhor mau, nem quero imaginar como teria sido com mais dimensões. Meu pobre coração provavelmente não aguentaria esta cena:

MEU DEUS, OS TAMBORZINHOS!!!!

- Homem Invisível: nunca mais consegui olhar para o Bacon da mesma forma (a não ser quando frito, aí marcha que é uma beleza). Olho para ele (e muito, que sigo a série "The Following", de que ele é o protagonista) e só consigo pensar nos músculos e nas veias e afins (blhéque). Isto em 3D teria sido bem nojento e eu provavelmente vomitaria, mas ficaria feliz.

Oh Kevin, a gaja mais tarde tornou-se CSI, tal foi o trauma
com sangue e gosma e nheca.

- Por falar em vomitar, foi o que me aconteceu quase-quase na cena da cadeira no Million Dollar Baby (e foi assim que comecei a desconfiar que talvez estivesse grávida). Tivesse eu visto aquilo em 3D, vomitaria, saberia o sexo da criança logo ali e ainda conseguiria descobrir se tinha o nariz do pai.

Ai, minha rica filha, que grande tolada na cadeira.

- 007: amigos, tudo o que me faça estar mais perto do Craigzinho, eu compro. Craigzinho em 3D era coisa para eu quase conseguir fazer-lhe cafuné na peitaça. E não haveria de faltar oportunidades, uma vez que ele a mostra a cada 6 segundos, benzódeus. Bónus de conseguir estar perto da Bellucci, um dos meus girl crushes assumidíssimos.

Deusmeacudameprotejameguardeemeabençoe.

- Minions: meus caros, eu adoro os bonequinhos amarelos, gozem-me para aí. Longe está o tempo em que os desgraçados dos meus pais se me queriam levar ao cinema apanhavam uma seca descomunal e eu tinha de os acordar no fim. Hoje em dia, eu sou a que dou as gargalhadas mais sonoras de todo o cinema, envergonhando a minha prole e as pessoas à volta. Teria gostado bem de ver os bonecos em 3D, sobretudo a parte do gigante que anda pelo meio de Londres. Era imaginar-me a começar por pisar o London Eye, que é para não se armarem em imitadores da feira popular. O que vale é que quando abrir em Carnide já ninguém precisará de ir a terras de sua majestade.
Coisa máilinda e peidorrenta de sua Boneca.

- 50 Sombras de Grey: teria sido a forma mais fácil e menos porca de ter um ménage à trois (ou à quatre, que Senhor meu Marido foi ver o filme comigo). E no fim, não havia cá ciúmes nem beijinhos de despedida nem ninguém a contabilizar parelhas de cornos. Limpinho, limpinho. E acredito que, em 3D, este filme teria feito mais sentido, pois veríamos bem mais do que ele efetivamente mostrou (a minha opinião ficou patente aqui).

Pensando bem, o cuecão em 3D também entraria na
temática "vómito" ali de cima. E com a minha
sorte ainda conseguia vislumbrar pêlos encravados.

Até tinha mais ideias, mas o Máinovo agora lembrou-se que quer comer, raça do miúdo.

4 comentários:

  1. 3D é porreiro mas nem todos os filmes merecem o aumento de preço do bilhete. Os meus cinemas preferidos para 3D são o Campo Pequeno e o Imax - têm uns óculos todos XPTO que te entregam e devolves no fim, e que para mais são infinitamente mais confortáveis que aquelas coisas de plástico que a NOS te cobra 50 cêntimos cada um; já devo ter meia dúzia no porta-luvas.

    Aviso já agora que o IMAX 3D também não vale a pena para todos os filmes. O melhor que vi até hoje foi o Max Mad Fury Road: os carros vêm direitinhos a ti de uma forma tão aflitiva que até as naves do Star Wars coram de vergonha. Ah, e o Jurassic World. Aqueles dinossauros mais os peitorais do Chris Pratt, aijesus.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Peitorais em 3D é o meu novo nome do meio!!!

      Eliminar
  2. Eu sou sincero, não gosto nada de ver filmes em 3D. Acho que perde muito a qualidade de imagem.

    www.pensamentoseepalavras.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Digo-te que a minha experiência não foi, de todo, assim.

      Eliminar