quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

O coito

Francamente não sei a génese da invenção peregrina de chamar "coito" ao lugar onde, num jogo da apanhada, estamos a salvo de sermos apanhados. Esmiucemos o coito então (pausa para palmas pelo belíssimo trocadilho, com tanto de inteligente quanto de badalhoco). Imagino um rapaz balofo com borbulhas na testa e ar de sacristão com quem os meninos não queriam brincar e que, quando deixavam, era apenas porque era facilmente apanhável devido à sua mobilidade condicionada. Como estava farto de ser apanhado e de levar calduços (além de nunca ter conseguido levar uma miúda para trás do pavilhão de educação física), resolveu congeminar uma forma de faturar. "Vou chamar coito a um sítio onde ninguém me possa tocar, mas onde eu no fundo gostaria de ser tocado. Assim, passarei bastante tempo no único coito a que terei acesso nos próximos anos sem ter de pagar, não correndo portanto o risco de ficar com borbulhinhas nos tintins." E pumbas. Para todo o sempre as crianças portuguesas passaram a gritar "Estou no coitooooo!"* com a maior das naturalidades, sem nunca perceber a barbaridade do que afirmavam. E quando chegaram a adultos e efetivamente procederam ao dito coito e dele obtiveram frutos, não foram capazes de corrigir as criaturas, e o erro perdurou. Até que esta Vossa serva ouviu da boca de seu rebento Máinovo para o rebento Máivelho: "A Mãe é o coito! Não me apanhas, nhanhanhanha!" E esquecendo a utilização de nhanha e coito na mesma alocução, porque se calhar só eu é que notei (#cagandabadalhoca), devo dizer que esta pouca-vergonha vai parar por aqui. Acabou-se o coito. Quer dizer, errrrr, bom, vocês percebem. Venho assim, por este meio, apelar aos Vereadores Municipais com o Pelouro da Atribuição de Nomenclaturas para Atividades Infantis Que Incluam Corridas Erráticas Com o Objetivo de se Apanhar o Próximo, Regra Geral o Badocha Asmático que Corre Pouco, que tomem conta deste flagelo que se estende há demasiadas gerações. 

Aliás, vou mais longe e sugiro a criação de uma nova CAE, que inclua "Atividades de apanhação mútua perpetradas por pessoas pequenas, sem recurso a nomes alusivos a trungalhunguice e potencialmente desviantes". Quem quiser que se junte a mim nesta luta.


* Será que as inglesas gritam "I'm on the coituuuuus?" Ou as alemãs "Ich bin auf das Kekeeeeeen?" Ou mesmo as francesas "Je suis a la berlaitééééé"?! Duvido.

33 comentários:

  1. Opah! Puseste a carruagem do metro a olhar para mim a tentar abafar as gargalhadas. A menina do lado até esticou o pescoço a tentar vislumbrar o que seria tão engraçado no ecra do meu telemóvel. Xô, criatura curiosa! :D Olha, até me sinto bastante conhecedora de termos assim esquisitos, mas essa nunca tinha ouvido. Coito? Grande lol. Agora que penso nisso já nem me lembro como chamávamos ao sítio onde ninguém nos podia tocar. Talvez algum dos teus leitores fofinhos se lembre e seja a mesma palavra. :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. COMO NÃO TE LEMBRAS DO COITO??!!!!

      Eliminar
    2. Não. Confere. Nunca tinha ouvido semelhante. Bem... Quer dizer, no âmbito das "caçadinhas". :D

      Eliminar
    3. Na minha altura era " CASAAAAA"!!

      Eliminar
    4. Na tua altura, há 2 anos. Tu não contas para as estatísticas!

      Eliminar
    5. Eiiih!! Não sou assim tãooo novinho. Das apanhadas já lá vão uns 10 anitos...

      Eliminar
    6. Será esta a vingança por, há uns dias, te ter chamado idosa?!

      Eliminar
    7. A minha memória relativamente a isso está a falhar-me, jovem.

      Eliminar
  2. E se Ella te disser que tem uma prima cujo apelido é... Coito!
    Ah pois é... não é Couto, é mesmo Coito!
    Desgraçada da cachopa....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo menos essa não se pode ofender quando dizem que é o dito.

      Eliminar
  3. Como não te lembras do coito????!!!!!!!

    ResponderEliminar
  4. O meu diz que brincam ao "apanha meninas" e que quando as apanham as levam para a prisão! Menos mal, menos mal :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hum... Isso também me parece potencialmente desviante.

      Eliminar
  5. No Porto, também se dizia CASA.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos lá a apimentar isso aí para cima, hein?

      Eliminar
    2. Pois lá está, eu cresci no Porto :)

      Eliminar
    3. Não no Porto mas no norte confirmo: casinha!

      Eliminar
    4. Ou seja, o teu blog chama-se 'A Casinha da Boneca' maa também se poderia chamar 'O Coito da Boneca', estou certa?
      Desculpa Boneca, mas tu puxas por nós... xD

      Eliminar
    5. Mas só a versão hard core para o Norte! :D

      Eliminar
    6. HAHAHAHAHA! Foi muito boa essa MSST!
      Alguma coisa me deve estar a falhar. Acho que não lhe chamava casinha. Era qualquer outra coisa. Vou ver se pergunto porque até já me está a irritar isto. :D

      Eliminar
    7. Indaga, filha, indaga.

      Eliminar
  6. Em Moçambique também chamávamos coito.

    ResponderEliminar
  7. Carla Godinhofevereiro 16, 2016

    Eu sou do Porto (vá, arredores) e também foi sempre CASA que disse. Já o meu excelso marido é mesmo do Porto cidade e diz que na escola dele era o COITO que utilizava. Mas já se sabe que isto de coitos e casas é quando e onde um homem quiser ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Onde um homem quiser e a mulher deixar! ;)

      Eliminar
    2. Carla Godinhofevereiro 16, 2016

      Oh pah quanto a isso não me pronúncio ;) e se o homem quiser que seja outro homem a deixar??? Ah pois é...

      Eliminar
    3. Este blogue é de todas as cores do arco-íris!

      Eliminar
  8. Acabei de ver num blogue que provinha do latim e que couto teria o significado de refúgio, o que faz sentido. Provavelmente e atendendo que uma série de palavras tinha como variante a utilização do i e do u (oiro, ouro, couro, coiro, dourado, doirado, etc) provavelmente lá para traz começaram a utilizar o coito em detrimento do couto, mudando o significado da palavra, embora do ponto de vista conceptual do jogo, seja a mesma coisa :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha, um pedaço de info bem interessante! Obrigada, Cláudia.

      Eliminar
    2. Concordo. Há inclusive um lugar na Galiza chamado Couto Misto, que foi como um microestado entre a Espanha e Portugal até 1868, e que gozava de vários privilégios (entre os quais asilo para quem andasse fugido à lei tanto portuguesa como espanhola).

      De passagem reparo também que qualquer pessoa de nome Couto "goza" (desculpem) de uma ligação histórica com todos estes conceitos.

      Eliminar