sexta-feira, 6 de maio de 2016

Estou que não posso!

Pois estou pá! Então não é que descobri que o meu bonequinho emoji favorito, aquele que mais envio nas minhas interações tecnológicas escritas, a menina dos meus olhos, o meu eterno desbloqueador de conversa, a minha querida máilinda beringela, sobre a qual inclusivamente me referi neste post e nesta crónica significa nada mais nada menos do que...



pila.

???!!!!!?? UATAFÂQUE??!!!

[Pausa para absorverem condignamente a info]

Sim, pessoas, pila, pénis, piroca, pirilau, coiso. Eu, Boneca Maria de Deus de Alcochete e Lezírias, filha de Mãezinha e meu rico Pai, bitch de Senhor meu Marido, mãe de Máivelho e Máinovo e de todo o pessoal docente e não docente da escola, que me tratam por Mãe, dando-me a entender que os perfilhei a todos sem ter dado conta, criatura eivada de problemas de joelhos, andei este tempo todo a terminar conversas dizendo "ora então, vai daqui uma valente gaita para ti, sim?", "Toma lá piço, pá!", "Muitos e bons Zé Bastos para todos e alegria também.", "Boa noite mais uma farfalota pimpinela!"

E ninguém se dignou a avisar-me. Ninguém teve a decência e hombridade de me chamar à parte, colocar-me uma mão amiga no ombro e dizer-me "Boneca, filha, larga de ser porca e manda um vegetal menos sugestivo. Oh aqui este belo exemplar de batata doce: não ofende o interlocutor, não é erótico, nem te compromete. Agora vai rezar três Avé Marias para expiar a badalhoquice." Não, os filhos do demo continuaram a deixar-me fazer figuras tristes, distribuindo genitália como se não houvesse amanhã, a atirar zé nabos a torto e a direito, alegre e inocentemente, qual sonsa de óculos e aparelho nos dentes, mas depois sem cuecas. 

Estou verdadeiramente traumatizada e passei os últimos dias a rever mentalmente as mensagens que mandei e a contabilizar os vegetais roxos fálicos (hello? fálico? pista?! duuuh) que enviei e a quem. Mãezinha, check. Não há problema, deve ter pensado que lhe estava a pedir conduto para a sopa. Amigos. Oh, envio tanta porcaria, que já ninguém liga ao que faço. Conhecidos... Colegas de trabalho... Outros pais da escola dos miúdos... Hum... 

Pelo sim pelo não, vou espalhar o boato que me estou a dedicar à agricultura biológica. 

15 comentários:

  1. NÃO SABIAS?! Conhecendo o que conheço de ti, fiquei a achar que era por esse mesmo motivo que utilizavas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. NÃO!!! Escolhi porque simpatizei com o bonequinho... sou uma menina, eu. E das sonsas, pelos vistos.

      Eliminar
    2. E eu que como restos com 3 semanas. Não deixes de snifar bolor, não... ;)

      Eliminar
    3. É muita beringela na minha vida! ;)

      Eliminar
    4. Nem vou perguntar de quais! #balhamosenhor

      Eliminar
    5. Fazes muito bem! #tenhotreshomensné

      Eliminar
  2. Ah! Não posso!
    E como é que descobriste?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi num vídeo de um gajo americano que estava a explicar isso mesmo à Gwen Stefani, tu vê lá. E a moça, FYI, também não sabia!

      Eliminar
  3. Olá Neca!
    Estava eu, professora de Biologia, mostrando alguns frutos aos alunos. Quando chegou a vez da beringela um aluno exclama:
    - Oh! Parece mesmo o vibrador da minha tia!
    Até um miúdo viu o aspeto fálico da coisa e tu não, dãa!
    Isto passou há já uns quantos anos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em minha defesa, terá sido o aspeto fálico que me levou (inconscientemente?) a simpatizar com o bonequinho :D

      Eliminar
  4. Mas... eu pensava que esse "trauma" era com pepinos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aparentemente, as beringelas são os novos pepinos... (e a velha banana pá?!)

      Eliminar
  5. O meu comentário é de agradecimento a esta página e tudo o que ela representa .Um bem haja

    ResponderEliminar