domingo, 18 de setembro de 2016

Dos recomeços

Este não é o texto tradicional sobre o primeiro dia de aulas, porque este ano fui sujeita a um turbilhão de emoções absolutamente fora do comum. Tudo porque os rapazes mudaram de escola, cada um para a sua, numa outra cidade (a minha querida Setúbal), sendo que o que para Máinovo era uma alegria, uma antecipação carregada de emoções felizes, para Máivelho era apenas ansiedade e receio. Foi difícil para mim, obviamente, lidar com o que era basicamente felicidade de um lado e tristeza de outro.

No primeiro dia começámos logo pela fresquinha com as apresentações na escola do Máinovo, que foi imediatamente largado com um bando de crianças desconhecidas e se enturmou como só ele. Aliás, a única preocupação verbalizada durante todo o processo foi "Quem é que me vai limpar o rabo?" Meu rico filho. A única frustração que demostrou no final foi não poder passar o dia todo na escola, porque ainda lhe faltava explorar o campo de futebol. Bom sinal. Objetivo cumprido.

Tempo de passar à parte mais angustiante do dia, a da escola de Máivelho. Nem o McDonald's lhe mitigou a preocupação e o ar dele era de dar dó. Por várias vezes tive de me conter e disfarçar as lágrimas, numa escola que há 30 anos foi minha e da qual tenho as melhores recordações. Não obstante, vê-lo a um canto, cabisbaixo, afastado de uma vintena de miúdos que já se conheciam do ano anterior doeu como nunca pensei ser possível. Vim a saber que o isolamento continuou por imposição dele, que não se quis dar a conhecer e que, afinal, tenho um filho bem mais tímido do que julgava. Foi por isso com alívio que saímos da escola, onde só decorreriam nesse primeiro dia as apresentações.

O segundo dia traria um novo fôlego. Máinovo basicamente irrompeu sala adentro, disse-nos um "txau mãe, txau pai, txau mano, txau avós" (sim, fomos todos, somos esse tipo de pessoas) e foi à sua vida. Fomos informados que seria nesse dia responsável pela tartaruga e, confesso, comecei a preparar o discurso das exéquias fúnebres de piquena Caretta caretta, que com certeza iria falecer às mãos desta criança (que manifestou desde logo a intenção de dar colo ao bicho)*. Quanto a Máivelho, vim a saber pelos avós que o levaram à escola, continuava tristonho. Escusado será dizer como estava o meu estado de espírito no trabalho. A coisa só melhorou com o telefonema dele no final das aulas da manhã, já com uma voz diferente, um tom apressado e entusiasmado, dando-me a entender que só queria tranquilizar-me, mas rápido, porque queria despachar-se para voltar para a escola. Oi? Mas o que se tinha passado? Tinha-se passado os amigos novos, tinha-se passado as miúdas que engraçaram com ele, e sobretudo tinha-se passado um furo providencial de uma hora que lhe deu oportunidade de se enturmar e de, assim, dar início àquele que, espero, seja um ano de novas oportunidades, novos desafios e novas pessoas na sua vida. 

E foi assim que o camião de pedras que me estava a pesar no peito meteu a primeira, arrancou e não mais apareceu. Caramba, ser mãe custa.


* SOBREVIVEU!!!

16 comentários:

  1. Chiça, que até ser amiga-distante-de-mãe é difícil: choraminguei.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. <3 (Devo confessar que tive de parar um par de vezes para me assoar enquanto escrevia...)

      Eliminar
  2. Opá, isso já está melhor e não dizias nada?! Andava aqui a roer-me para não estar sempre a perguntar! Que bom! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, desculpa, foram uns dias tão intensos que nunca mais me lembrei de fazermos um ponto de situação! Beijos!

      Eliminar
  3. Bem diferente da descrição do recomeço de 2015.

    ResponderEliminar
  4. Esqueci-me de uma coisa: Caretta caretta nã pode ser, nã senhori! (É uma tartaruga marinha! :D)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Raça da bióloga, pá. Era o nome mais fixe e prontoSSS! ;)

      Eliminar
  5. :D Tb não lhe chames Posidonia, porque isso é uma alga, tzá?

    ResponderEliminar
  6. Respostas
    1. Obrigada Inês, um grande beijinho!

      Eliminar
  7. Oh Boneca espero que maivelho já esteja enturmado! Tadinho!
    Com Mainovo dá para perceber que é um despachado e não tens de te preocupar!
    Tudo a correr bem!
    Boa semana
    Carla

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carla, a pouco e pouco as coisas estão a começar a entrar nos eixos. Beijinhos!

      Eliminar
  8. 'Aproveita' agora que daqui a nada está Maivelho a ir para os copos com os amigos e aí já te vais queixar de socialização a mais :P

    ResponderEliminar