domingo, 6 de novembro de 2016

Ao meu rapaz que faz 11 anos

Meu querido,
Se dependesse de mim, apenas lerias isto daqui a uns bons anos, para, sei lá, lhe dares mais valor, ou, simplesmente, perceberes melhor o meu estado de espírito. Então se lesses isto quando já tivesses filhos, seria mesmo perfeito. Mas provavelmente isso não vai acontecer. 

Queria começar por te dar os parabéns, que isto de se ter 11 anos já é meio caminho andado para os 18 e a mãe já está a hiperventilar, alguém me acuda. Foste o primogénito em tudo, primeiro filho, primeiro neto, primeiro sobrinho neto, primeiro bebé desta família enorme, e isso deu-te oportunidade de desbravares terreno por todos nós adentro, o que fez - e faz - com que ocupes um lugar bem especial no coração de cada um. Isso ninguém te tira, filho, por muitos bebés rechonchudos que tenham entretanto aparecido e que aí venham. 

Também quero agradecer-te: ensinaste-me isto de ser mãe, como fazer o ninho, provaste-me que conseguia ser mais tolerante, conter mais vezes os meus impulsos e, sobretudo, contrariar a minha natureza explosiva para encarar tudo com mais bonomia, paciência e, sobretudo, muito muito amor. Porque apesar de sentir que me estás a escapar por entre os dedos e que és menos meu do que alguma vez foste, o facto de agora seres mais do mundo significa que estás a crescer e que nós até fizemos um bom trabalho contigo. A missão está muito longe de ser cumprida, mas olho para ti e vejo que és um bom miúdo, bem-educado, meigo e inteligente. Tens bem presentes os valores da família, sabes como este núcleo, que extravasa a nossa casa, é vital para o funcionamento do teu (nosso) mundo e, sobretudo, sabes que podes sempre recorrer a ele, que é a tua (nossa) base de sobrevivência.

Não nego que me assusta que já não queiras andar de mão dada comigo, que já penses em miúdas e na roupa e no cabelo, que já não precises que te levem à escola nem ao ténis, que vais lá ter sozinho. Caramba, já precisas menos de mim e isso custa. Mas também me alegra. Mas custa mais do que alegra, porra. E não se diz porra, Tiago.

Isto tudo para te felicitar por estares a ficar um homenzinho. E desengana-te se achas que já não és meu. És, és. E sempre serás, disso não tenhas qualquer dúvida.

Parabéns, meu amor. 

12 comentários:

  1. Chiça para ti.
    E para mim, que estou a ficar cota (eles crescem e nós envelhecemos, embora os anos passem na mesma para todos), e choro por tudo e por nada.
    Beijos ao teu miúdo.
    E a ti, que diacho. <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Velhas e choronas, credo, onde é que vamos parar? <3

      Eliminar
  2. Diz-se porra, diz. Porra, Boneca! Eu que nunca gostei que me dirigissem coisas destas, porque não gostava de sentir que estava a crescer e a criar, involuntariamente, um certo distanciamento natural e saudável, e agora quase choro a ler este post. Não se faz!! 🔪
    Agora sim, parabéns ao teu rapaz que faz 11 anos, parabéns a ti que és a mãe do rapaz e parabéns pelo post!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rapaz, deita isso cá para fora que te faz bem. Cá beijinho e obrigada :)

      Eliminar
  3. Parabéns ao cachopito. E parabéns a ti também que és mãe dele! :D

    Beijinho meu

    ResponderEliminar
  4. Caso para dizer: porra Boneca que me emocionei com o texto! :)
    Parabéns ao maivelho!
    Boa semana
    Carla

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não se diz porra, Carla! Beijinhos e obrigada :)

      Eliminar
  5. Parabéns ao teu homenzinho (ainda que atrasados)!!!!!!!!!
    Gostei muito do que li e percebo-te na íntegra...

    ResponderEliminar