quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Uma palavra de repúdio para os géis

Ou para os geles, é como lhes queiram chamar. Repúdio, é o que possuo cá dentro. O meu âmago está eivado de ódio pelo meu gel de banho. Eivadinho como vocês nem imaginam. A vida é, de facto, uma montanha-russa de emoções: num momento estás feliz, de bem com ela, antecipando uma agradável lavagem corporal, no momento seguinte estás semi-estropiada de bruços na banheira, mas não sem antes teres levado com um pesado chuveiro em cheio no lombo. E dois gatos observam-te, impávidos, cabeça tombada para o mesmo lado, comunicando com o olhar "Não sabemos como te dar esta notícia, dona amada, mas estás sozinha em casa e seguramente não seremos nós que te vamos aí socorrer. Até porque estamos aqui a gozar o prato, derivado da beleza de espetáculo acrobático que proporcionaste. Não percebemos é por que foste gastar dinheiro num túnel para felinos, se a fasquia do entretenimento neste agregado familiar já atingiu estes píncaros." (Cachucho Miguel e Ginjinha Sofia são de uma ímpar eloquência com o olhar.)

Caros amigos, eu podia neste momento estar a digitar apenas com dois cotos, semelhante o grau de quase-estropiamento de que padeço. Eu estive a milímetros de ter escavacado furiosamente a cremalheira, fraturado violentamente as duas perninhas que Deus me deu, escangalhado atrozmente o cóccix. E tudo porquê? Porque uma alminha - a quem desde já desejo com todas as forças que me restam que no futuro próximo padeça de um furúnculo bem purulento na nalga esquerda - decidiu que seria modernaço inventar um gel de banho com óleo incorporado. Ai, porque assim hidrata logo. Ai, que as lontras preguiçosas não mais terão cútis que parece lixa, nem essas que não têm pachorra para se barrar de creme e depois vestir o pijama que se vai colar, todo peganhento, à pele, sim, até essas, com esta brilhante invenção, já sairão devidamente moisturizadas de seu banho. (Sim, provavelmente inventei este verbo, mas acho que ganhei esse direito!)

Mas!!! O preço a pagar é elevadíssimo, máfrendes! Demasiado alto para o aporte de hidratação prometido. Acaso me tivessem perguntado: "Doce de nossas vidas, preferes sair do banho já luzidia e macia, ou escorregares na merda do gel que mais parece manteiga no tapete da banheira, tendo alçado as palhetas, arreado com um pé no cabo do chuveiro, arrancando-o do gancho e causando a sua queda desgovernada em cima de teus costados, adicionando a isso também algumas embalagens e frascos que teimas em amontoar à beira da banheira e que resolveram juntar-se ao motim contra a tua pessoa? O que preferias, hein, coisa máilinda e agora máilesionada de seus leitores?"

Eu até vos respondia, mas dói-me demasiado o.. como é que se chama isto aqui de lado? O ego, é isso.


Nota da redação: ainda assim, não sei se bato Senhor meu Marido neste tralho épico.

15 comentários:

  1. Já deves ter estado mais longe de instalar uma daquelas pegas na parede junto ao chuveiro! :-) :-) é que a malta não vai pra nova! Ahahahahahahaha!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai, senhora, se calhar tenho de pensar nisso.............

      Eliminar
  2. Já me aconteceu derivado de escorreganço no gel duche com óleo Nivea... aleém de um solene esbardalhanço parti a divisória de acrílico do duche que por sua vez bateu violentamente no espelho (graças a deus o dito era de cólidade e não partiu). Agora tenho uma cortina pindérica à roda do poliban até ter pachorra (e €) para lá botar outra em acrílico. E a ginástica que faço para que a pressão do chuveiro não arrede a cortina e derrame a água toda para além das bordas do poliban?
    Ora bate lá isto!
    Dulce/Porto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dulce, vai daqui um forte abracinho virtual de solidariedade #tamujuntas

      Eliminar
  3. Não tomes banho! Problem solved! :D
    Houve um tempo em que não tinha tapete na banheira. Uma vez não cheguei a cair, mas escorreguei e bati com o traseiro na torneira que me lixei. Resultado: uma valente nódoa negra e um tapete comprado no mesmo dia. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O tapete é um mal necessário, nada a fazer. Quanto ao tomar banho, já tentei espaçar, mas depois recebi uma carta do condomínio.

      Eliminar
  4. ahahaha. e qual era o gel ja agora? xD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não quero denegrir uma marca que começa por Ní e acaba em a e tem ve no meio.

      Eliminar
  5. Cat de Castrofevereiro 01, 2017

    Cara mubekita o que eu me ri e me identifiquwi neste teu valente tralho :) :) :), mas lamento informar-te nao me tiras o pódio :P tralhos na banheira ja lhes perdi a conta, ora é a entrar ora é a sair do banho. Mas neste ultimo ano e meio ja me esbarda-lhei 4 vezes escadas a baixo, onde numa delas parti o dedâo de um dos meus xispes, noutro o mindinho do outro xispe e um raspadela valente num cotovelo, noutro e o pior, e foi para entrar fresquinha em 2017, nas escadas rolantes do aeroporto. Os meus saltos acharam que aterrar uma vez não tinha piada e entao um deles decidiu partir qd descia a escadas... valente tralho, calças rasgadas nos dois joelhos, umas feridonas ensanguentadas por baixo e umas dores.. aiii essas dores q ainda as tenho hoje.. e claro está, umas valentes palavras bonitas em bom portugues para nuestros hermanos saberem como se fala nestes momentos.
    Sabes o que te digo? Estamos juntas :p
    Ca besito,
    Cat

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cá beijinho solidário! #tamujuntas

      Eliminar
  6. Isso é porque nunca te caiu a coluna de hidromassagem em cima! Diz que é de ficar sem sentir os pés durante dois dias e meio. Não que me tenha acontecido....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hahahahahahhahaha (já que me rio da minha desgraça, que me ria também da desgraça alheia!)

      Eliminar
  7. HAhahahahahaha! Tens mesmo sentido de humor! adoro os teus textos...
    Cá beijinho...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cá beijinho, e não te laves com gel com óleo, sim?

      Eliminar