terça-feira, 9 de maio de 2017

Um dois três, canta lá isso outra vez #7

Car@s, o 1 2 3 de hoje surge numa espécie de exercício de exorcismo (passo a cacofonia). Pretendo exorcizar esta música que não me sai da cabeça, primeiro porque gosto dela e me faz abanar o béfe, segundo porque filhos bonecais cantam berram isto até à exaustão, sendo que Máinovo - obviamente - canta uma letra alternativa, em que não se percebe uma única palavra. Por seu lado, Máivelho não percebe algumas partes da letra mais sugestivas ("como assim respirar tu cuello, mas a malta respira os corpos dos outros?!") e eu não sei bem como descalçar esta bota sem voltar à matéria de Ciências. Assim, este post acaba também por ser elucidativo para quem aí em casa também tem criaturas, vá, chalupinhas.

E, senhoras e senhores, venha daí a letra desse hit do demónio, que não para de passar nas rádios, nos telemóveis e nas pastelarias de todómundo, rufai os tambores!!!!!!

Despacito (Que é como quem diz, Devagarinho)

Sim, sabes que já ando há um rato algum tempo a topar-te
Tenho de dançar contigo hoje
Reparei que me estavas a fazer olhinhos 
Mostra-me o caminho que lá vou eu
Tu, tu és o íman e eu o metal 
Estou a aproximar-me e a tirar os azimutes da coisa
Só de pensar nisso já fico com o pulso a bater nos 190
Estou a gostar disto mais do que o normal, pá
Todos os meus sentidos me estão a pedir "mais, oh porto-riquenho safadão"
Vamos levar isto mas é na boa

Devagarinho
Quero dar-te uma snifada devagarzinho
Dizer-te badalhoqueiras ao ouvido
Que te façam lembrar de mim quando não estás comigo 

Nas calminhas
Quero despir-te com bjunfos
Devagarzinhoinhoinho
Assinar as paredes do teu labirinto 
Tornar todo o teu corpo num manuscrito
(Pimba, pimbas, pumbas)

Quero que abanes o pelame 
Quero ser o teu ritmo 
Que me ensines às beiças os teus sítios preferidos 
Deixa-me atravessar as tuas zonas de perigo
Para te fazer gritar
E que te dê um ataque de Alzheimer 

[Passemos agora à frente do rap, porque, além de não ter pachorra, também não me apetece. Passemos para a parte favorita de Máinovo, que a berra como se o estivessem a esfolar para fazer uma chanfana pascal]

Passinho a passinho
De forma bem suave
Vamo-nos enrolando
Assim como quem não quer a coisa
Quando me beijas
Com essa destreza 
Constato que alias à malícia a delicadeza

Passo pequenino a passo pequenino
Sem ser assim à bruta
Esfregamo-nos um no outro
Com velocidade de velho na autoestrada
Constato que a tua beleza é a modos que um puzzle 
Mas eu tenho aqui uma peça que resolve já isso, filha

Mesmo a pastelar
Vamos efetuar aquilo que tu sabes numa Praia da Costa
Até as ondas dizerem "ai, credo!"
E eu te deixe uma marca tipo aquela das ganadarias.

E repete e mais não sei o quê. A ver se esta desconstrução me faz esquecê-la, pois temo que a minha sanidade mental esteja em risco. Fica o vídeo, todo trungalhunhoso e a puxar para a javardeira, como se quer.





2 comentários:

  1. Está tãooo fofa a tradução Boneca :)
    Só por causa disso deixo aqui a verão kizomba:
    https://www.youtube.com/watch?v=yga9DQgjCpQ

    Beijinhos

    ResponderEliminar